quarta-feira, 23 de Dezembro de 2015 09:35h

Semusa debate riscos do Aedes aegypti com as imobiliárias

O secretário de saúde, David Maia, juntamente com a diretora de vigilância em saúde, Celina Pires, realizou a primeira reunião com os proprietários e representantes de imobiliárias de Divinópolis

O encontro foi realizado na sexta-feira e teve como ponto de discussão os riscos causados pelo Aedes aegypti.
“O combate ao mosquito Aedes aegypti - causador da dengue, da febre chikungunya e do zika vírus - é uma ação latente em que todos somos responsáveis. Eliminar os focos onde este mosquito possa se reproduzir é o melhor meio de evitar que nossa população fique doente. Para auxiliar neste trabalho, a Semusa busca o apoio das imobiliárias. A ideia da reunião é repassar orientações e contar com o apoio destes empresários para eliminar o foco de dengue”, explica David Maia.
Um dos principais pontos discutidos foi o acesso dos agentes nestes imóveis. Foi destacado a vistoria que possibilite identificar eventuais criadouros do mosquito. Para isso, foi necessário o repasse das chaves ajustados com as imobiliárias.
Formas de orientação junto aos inquilinos também foram discutidas e serão melhoradas e comprometeram-se a repassar a discussão para toda sua equipe, bem como a importância e necessidade de trabalharem contra o mosquito, o que poderá contar com a participação de técnicos da vigilância em saúde.
“Estamos nos mobilizando para levar o máximo de informação e, também, criando meios para que os trabalhos dos agentes fiquem mais efetivos junto aos imóveis de alugados. Contar com o apoio das imobiliárias é fundamental para que os resultados sejam otimizados”, pontua Celina Pires.
Os representantes das imobiliárias presentes nestes primeiro encontro reconheceram a necessidade deste tipo de mobilização. “A importância que eu vejo neste tipo de ação é a mobilização da consciência. É necessário que todos tenham cuidados com as suas residências que ajude no combate ao mosquito da dengue”, defende Michel Júnior da Somar Imóveis.
“Nós temos contatos com muitos imóveis. Se os funcionários e clientes tiverem consciência da prevenção, minimiza muito os focos da dengue. Claro que não é o suficiente, mas se cada um fizer a sua parte os riscos de ter pessoas doentes são menores”, complementa Gustavo Pereira da Gerais Imobiliária.
Cristiane Rosa, da Casa Nova Locadora, destacou que a empresa já realizada um trabalho de orientação junto aos seus clientes, mas ainda é necessário fazer mais. “Já fazemos um trabalho junto à Prefeitura, a Casa Nova contra a Dengue, e a gente vê a importância disso quando encontramos um imóvel fechado com caixa d’água destampada e os vasos cheios de larvas. Então, os vizinhos ali estão correndo risco e hoje não é só a dengue. Tem a febre chikungunya e o zika vírus. É um trabalho de conscientização que a população tem que ter e, no caso dos imóveis de aluguel, a imobiliária tendo a posse dessas chaves facilita muito o acesso dos agentes. A gente tem que estar unido”, argumenta.
O presidente do conselho fiscal dos corretores de imóveis de Divinópolis, Marco Antônio dos Santos, também participou do encontro e defendeu a sua importância. “É de suma importância esta divulgação que convida a gente a interagir mais entre os corretores. Vamos cuidar da nossa saúde, como da população”, destacou.
Uma nova reunião será agendada para os próximos dias. A intenção da Semusa é sensibilizar as outras imobiliárias.

 

Créditos: Rodrigo Dias / PMD

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.