segunda-feira, 30 de Junho de 2014 06:10h

Semusa divulga balanço de mutirão e de notificações de casos da dengue

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) divulgou o balanço do mutirão da dengue realizado entre os dias 6 e 24 de junho.

O objetivo da iniciativa é a eliminação de criadouros do mosquito Aedes aegypti. Durante a frente de trabalho realizada em dez imóveis, foram recolhidas mais de 88 toneladas de lixo, entulho, e outros materiais que propiciam a proliferação do mosquito.
Os bairros atendidos e a quantidade de materiais recolhidos foram: Ermida - 8.000 kg, D. Pedro II - 1.000 kg, N.Sra. Conceição - 12.000 kg, Vila Romana - 2.700 kg, Sion - 20.000 kg, Afonso Pena (02 imóveis) - 20.700 kg, Bom Pastor - 3.000 kg, Jardim América - 6.000 kg, Vale do Sol - 15.000 kg. O mutirão contou com o apoio da equipe fixa de agentes de saúde, agentes e supervisores das áreas dos imóveis e um fiscal de saúde. A Secretaria Municipal de Operações Urbanas (Semop) cedeu um caminhão para o trabalho de retirada dos materiais.
A Semusa divulgou, também, uma parcial sobre as notificações de casos da dengue na última semana. Foram 9 notificações e nenhum caso confirmado até o momento. No mesmo período do ano passado, foram 73 notificações com 65 casos confirmados. No balanço geral, de janeiro até agora, são 4.525 notificações contra 6.816 no mesmo período do ano passado, o que corresponde uma redução de aproximadamente 35%.
O Centro da cidade é o local com mais notificações neste ano (329), seguido do bairro Nossa Senhora das Graças (301), e São José (189). Nos casos já confirmados, há apenas uma pequena mudança na colocação dos bairros: Nossa Senhora das Graças (252), Centro (222) e São José (94).
Para a diretora de Vigilância em Saúde, Celina Pires, o balanço da ação é positivo. “Comparando com o mesmo período do ano passado, vemos tem havido, nos últimos meses, uma diminuição significativa de notificações. Mas, embora o número de casos esteja diminuindo, não podemos esquecer que estamos no período de frio e sem chuvas, o que dificulta o desenvolvimento do mosquito”, alertou.
O trabalho dos agentes de saúde em parceria com a população é a melhor forma de controlar a proliferação do mosquito. Os cuidados básicos com os recipientes que podem acumular água devem ser redobrados. Participar dos mutirões e receber os agentes que trabalham de casa em casa também auxilia no controle da doença. “Pensamos que essa redução nas notificações  seja em função do trabalho dos agentes e dos mutirões com a retirada dos materiais que servem de criadouro para o mosquito. Mas fica nosso alerta de que o controle da dengue não para. Ele deve ser feito o ano todo e, principalmente, com a participação da população, pois sem essa participação não há como manter o controle da dengue”, enfatizou Celina.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.