segunda-feira, 4 de Novembro de 2013 12:47h

Semusa divulga resultado de novo LIRAa

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), através da diretoria de Vigilância em Saúde, divulgou, na tarde desta segunda-feira (04/11), o resultado do LIRAa-Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), através da diretoria de Vigilância em Saúde, divulgou, na tarde desta segunda-feira (04/11), o resultado do LIRAa-Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue.

O trabalho foi realizado no período de 29/10 a 01/11 e teve como objetivo analisar o índice de infestação do mosquito por região do município, quais os recipientes predominantes utilizados pelo mosquito para seu desenvolvimento e, com o resultado, buscar as possibilidades de controle para se evitar nova epidemia de dengue já neste final de ano e em 2.014.

Neste levantamento foram visitados 5.090 imóveis e o Índice de Infestação médio do município foi de 1,1%, que significa um parâmetro de risco médio para epidemia ou situação de alerta de acordo com o Ministério da Saúde. As regiões Nordeste (2%), Norte (1,4%), Central (1,3%) e Sudeste (1,2%) encontram-se em situação de alerta e as Sudoeste (0,9%) e Oeste (0,8%) no parâmetro satisfatório.

Mais uma vez o resultado do LIRAa constatou que 91,4% dos focos foram encontrados dentro das residências e 8,6% em lotes vagos. A diretora de Vigilância em Saúde, Celina Pires, destacou a importância da participação da população o combate ao mosquito. “Esses dados demonstram que a população precisa participar de maneira mais efetiva do controle do mosquito. O resultado do trabalho demonstra que a tomada de atitude e da mobilização de todos tem que começar neste momento e não esperar o aumento do número de casos da doença e sem a participação da população não há como se obter um sucesso” reforçou.

O número expressivo de 75% das larvas do mosquito foram encontradas em depósitos removíveis (plásticos, garrafas, latas, entulhos, vasos/pratos de plantas, bebedouros de animais e pneus), 20,3%: lajes, calhas, piscinas, ralos, caixas de passagem e fontes ornamentais e 4,7%: reservatórios de água (caixas d’água, tambores e tanques).

Importante lembrar que o levantamento de índice realizado no mesmo período de 2012 encontrou um índice de 0,5%, percentual menor que o atual (1,1%), e o município passou por uma situação de epidemia com 6.950 casos de dengue notificados, 5.994 confirmados como dengue clássica, 04 dengue com complicações e 02 mortes.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.