quinta-feira, 7 de Janeiro de 2016 08:40h Atualizado em 7 de Janeiro de 2016 às 08:45h. Mariana Gonçalves

Serviço alternativo de transporte de passageiros chega à Divinópolis

Começou a funcionar em Divinópolis o Poly Car 7, um serviço alternativo de transporte e aluguel de veículos

Conforme o empresário, Adilson Oliveira, o serviço funciona baseado em um aplicativo de celular, logo que instalado, o sistema oferece ao cliente a localização do veículo mais próximo de sua região, fornecendo ainda a possibilidade do consumidor calcular o preço pago pelo trajeto desejado, antes mesmo de chegar ao fim do destino. “Nesse aplicativo, o cliente não utiliza a ligação, é tudo por meio de mensagem, o passageiro fica em contato direto com o motorista. O aplicativo informa a estimativa de tempo de espera para que o veículo chegue até o cliente, e também fornece a opção de pagamento via cartão de crédito”, diz Adilson.
O empresário explica ainda que está rodando na cidade uma frota com quatorze veículos. Os carros são de propriedade de uma locadora, a qual, segundo Adilson, tem a autorização para realizar este serviço. “No alvará está descrito as opções de locação do veículo e locação do veículo com motorista ou transporte de passageiro. Nosso trabalho é totalmente diferenciado do táxi, temos brindes para o cliente que fornecemos dentro do carro, temos água mineral, bombons. Fazemos sorteios quinzenais, por exemplo, sorteamos celular, valores em dinheiro”, pontua.

 

ENDEREÇO

Ao contrário dos táxis que possuem pontos fixo da cidade, definidos pela Prefeitura, o Poly Car tem um ponto fixo. De acordo com o empresário, os carros ficam circulando pela cidade até que sejam acionados pelo aplicativo. “Não temos o ponto central, é tudo online. O cliente entra em contato com a gente pelo aplicativo e vamos até ele de onde estivermos. Temos duas centrais, que é no Rio de Janeiro e em Sergipe – de lá é que o serviço é gerenciado”, afirma.
Por meio de uma analise virtual, Adilson conta que o gestor da Poly Car 7 detectou a necessidade de implantar em Divinópolis o serviço alternativo de transporte.
A empresa já tinha atuação na cidade, mas somente com a locação de veículos. Segundo frisou Adilson, o sistema de táxi da cidade está defasado. “Estamos desde o dia 27 de novembro de 2015 com o serviço ativo, e a sociedade vem aceitando bem. Em nossa base, registramos que 738 pessoas já baixaram o nosso aplicativo. Temos em média hoje, de seis a oito corridas por dia”, destacou o empresário.
O aplicativo pode ser baixado por telefones de sistema Android e IOS. Basta procurar por Poly Car 7 , baixar e fazer o cadastro que consiste em nome, e-mail e telefone. “O aplicativo depois de baixado passa a funcionar na hora, então você já estará conectado ao nosso sistema e poderá utilizar nossos serviços. Gostaria de agradecer à população de Divinópolis pelo espaço que ela tem nos dado, e pela confiança do serviço, que é algo inovador”, finaliza Adilson.

 

POLÊMICA

Desde o ano passado, está em discussão em algumas capitais brasileiras o serviço Uber, de responsabilidade de uma empresa multinacional americana. O Uber baseia-se no transporte privado urbano, que oferece aos consumidores serviço semelhante ao táxi tradicional, conhecido popularmente como serviços de "carona remunerada".
A diferença entre os serviços é que, para ser um motorista da Uber, bastaria cadastrar-se seguindo uma lista de exigências de segurança.
A reportagem questionou Adilson se o Poly Car 7 seria um serviço parecido ao que está sendo executado pelo Uber, e o empresário afirmou que não. “Existe uma grande diferença, em termos de veículo e também dos profissionais que realizam o serviço. Temos motoristas treinados para esse atendimento, por exemplo, um dia de chuva, o nosso motorista vai ter lá no carro o guarda chuva para evitar que a pessoa se molhe ao entrar e sair do veículo, além disso, temos profissionais que falam inglês e outros idiomas. Então tem uma grande diferença com o Uber”, explica o empresário.

 

CONFRONTO

Devido ao embate gerado entre taxistas e operantes do Uber em São Paulo, o prefeito Fernando Haddad publicou na última terça-feira (5) uma nova lei que regula o funcionamento de serviços de transporte solicitado via smartphone na capital paulista.
A partir de agora, todas as empresas que desejarem oferecer o serviço precisarão ser cadastradas na prefeitura e será obrigatório que elas possuam sede na cidade. O descumprimento da norma poderá render multa de R$ 50 mil.
Para os motoristas que prestam o serviço, também será necessário registro junto ao poder público, além de ser obrigatório possuir a habilitação para dirigir táxis na cidade (Condutax). Aquele que for flagrado em situação irregular será multado em R$ 3.800.

 

 

Créditos: Mariana Gonçalves

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.