quarta-feira, 5 de Agosto de 2015 11:45h

Show O melhor do Ceguinho estará em Divinópolis

No dia 13 de agosto o humorista Geraldo Magela estará em Divinópolis com seu show “O melhor do ceguinho”.

Completando 25 anos de carreira o comediante será atração principal no 1° Festival de stand up Rachando os bicos. O evento será no Yellow Hall a partir das 20:00 horas.
Em entrevista exclusiva para o jornal Gazeta do Oeste, Geraldo Magela conta um pouco sobre seus projetos e o que esperar de seu show aqui em Divinópolis.
Geraldo Magela — Bom primeiro um abraço para o pessoal de Divinópolis, tem muito tempo que eu não venho aqui e estou com muita saudade de todo mundo. E como tem mulher bonita aqui heim, e agora que eu estou na pista, solteiro, nussa, cresci o olho, cada mulher bonita que ave Maria. Mas, então, a respeito do meu show o pessoal pode esperar muita alegria, o show tá redondinho. O melhor do melhor do melhor do ceguinho, então as pessoas podem esperar muita coisa boa, boas risadas, realmente eu tenho certeza que vai ser bala.
Gazeta — Há quanto tempo você não se apresenta em Divinópolis?
Geraldo Magela —Tem muitos anos que não vou a Divinópolis, bem mais de 5 anos. O problema que dificulta também são os preços altos de uma produção, o aluguel do local é caro. Acho que o prefeito com os alugueis do teatro devia fazer como o de Itaúna fazia, ser de graça e se possível a prefeitura que geralmente tem espaço na mídia local dar espaço ao artista porque aí torna mais possível ser feito. É muito caro a produção, então os prefeitos não deviam ver o teatro como lucro, mas como um investimento de cultura, se preocupar com a cultura e a arte.
Gazeta —São 25 anos fazendo as pessoas rirem, a que se deve tanto sucesso?
Geraldo Magela — Eu me sinto muito feliz em todos os sentidos com o retorno do público, eu não conto piada, igual o Ari Toledo e tantos outros humoristas, é o que eles chamam de stand up, que eu já faço isso há anos, há 25 anos. Eu sinto muito feliz de ter o retorno das pessoas que riem, eles riem dos momentos que eles já passaram, quando eu falo de aeroportos, de musica, do dia a dia do cego, conto coisas de rádio também né,sendo eu radialista, então é muito bacana.Fazer o que você mais gosta, trabalhar com o que você mais gosta, é muito gostoso e ainda ganhar com isso, melhor ainda.
Gazeta — Como é a sua participação no programa balanço geral?
Geraldo Magela— É uma experiência única , bacana, um projeto que eu tive a ideia em Belo Horizonte e ficou parado dois anos e o Ricardo Feitosa se tornou  diretor de jornalismo na parte da manhã da record, ele já tinha visto essa gravação, gostou, me chamou e deu certo. Hoje Graças a Deus e ao dom que ele me deu está sendo pico de audiência no programa, o Ceguinho mostrando as autoridades o que eles não querem ver. Durante a semana duas ou três vezes por semana no horário de7:20 passa a matéria e está sendo maravilhoso. Agora eu quero mais, estou com um projeto de “Talk Show”.
Gazeta — Qual o conselho que você dá aos novos humoristas que estão tentando carreira?
Geraldo Magela — Aos novos humoristas o conselho que dou não tem muito mistério não, é não desistir dos seus objetivos, de seguir sempre em frente.As dificuldades existem,as portas vão se fechar, você tem que matar um leão por dia, mas se você não tenta você está cem por cento derrotado, se você tenta você já ganha de cara cinquenta por cento.Então é assim, procurar se aprimorar, principalmente os novos humoristas que tem alguns que estão achando que para fazer as pessoas rirem tem que falar bobagem, palavrão.O humorista quando interagir com o publico tem que brincar, interagir de uma maneira suave, não menosprezando ou chegando a constranger as pessoas, quem vai te ver vai querer rir de você e não que riam dele que foi lá. Então o conselho é esse primar pela qualidade, o meu espetáculo é para todas as idades, meu espetáculo hoje não tem nenhum palavrão. É difícil fazer um humor light, sim é, mas você amplia muito mais, senão fica restringindo o trabalho só para teatro e restaurante, daí quando vai fazer uma apresentação para um show corporativo vai ficar só na primeira apresentação, porque com certeza não vai ser contratado novamente.
Gazeta — Magela no programa do Raul Gil você falou a respeito de namorada, que o cego tem bem menos namorada que as outras pessoas. Qual a dica que você dá para alguma mulher que for namorar um cego?
Geraldo Magela — Como eu estou solteiro agora, eu falei disso no Raul Gil e é uma coisa que tem que ser falada mesmo. As mulheres num todo a falta de informação ela é ampla, eu até tive uma namorada que eu tive que explicar para ela. Por exemplo, eu gosto de mulher de cabelo comprido e que use mini saia. Porque? Pra namorar. Parece brincadeira , mas é sério, então como ela nunca tinha namorado um cego, aí quando a gente saia ela ficava do outro lado da mesa, aí eu falava com ela pra ficar mais perto de mim. Porque quem enxerga quando tá namorando a mulher se insinua pra você, ela pisca pra você, dá uma cruzada de perna, porque você está vendo, já com o cego ele não tá vendo. Aí eu falei com ela pra ficar perto de mim, usar minissaia pra mim, porque aí como eu não enxergo, é um toque, uma carícia, porque aí eu coloco a mão na coxa, no cabelo comprido, é uma questão de tato. Namorar um cego pra mulher é muito melhor, porque ele é mais beijoqueiro, faz mais carinho, ele usa mais do toque.

Sobre o humorista
Geraldo Magela, antes de ser humorista, na infância, foi vendedor de picolé, refresco, bolinho de espinafre, carregador de feira. Quando adulto, fez como a maioria dos deficientes visuais: vendeu loteria. Também fez locução em lojas, anunciando produtos do tipo: camisas que depois de lavadas servem para o irmão mais novo, calças que depois de lavadas viram bermudas. Sempre de um jeito diferente, Geraldo Magela ficava escondido, anunciando os produtos fazendo imitações de personagens famosos, dando a entender que os mesmos estavam ali presentes.
A carreira artística começou no rádio.  Como ouvinte, ganhou um concurso em um programa do maior nome do rádio mineiro, Aldair Pinto. O prêmio: uma lata de café de 2 kg, que tinha, na verdade, 1kg e 250g. Mas, Aldair Pinto pediu que Geraldo Magela fizesse algumas imitações e o convidou a participar do seu programa. Depois, passou a ter um programa só seu e trabalhou em diversas rádios mineiras. Rádio Incofidência, Rádio Capital, Rádio Itatiaia.

Festival

O 1° Festival de Stand Up “Rachando os Bicos”, coordenado por Ailton Costa acontecerá no salão de eventos Yelow Hall, às 20h. No dia 12 de agosto a atração principal é Marlei Cevada a “Nina”, com participação dos humoristas divinopolitanos Paulo Araújo, Diego Matias, Alessandro Corrêa, Heitor Júnior e Ailton Costa. No dia 13 de agosto as gargalhadas ficam por conta de Geraldo Magela o “Ceguinho” que comemora seus 25 anos de carreira,também se apresentará os humoristas de Divinópolis André Felipe e Diego Fernadez com seu stand up “saindo do armário”,Ricardo Silva, Túlio Rivadávia e Ailton Costa. Completam o time. Os ingressos são limitados e já estão sendo vendidos na Sorveteria Slep a R$ 60 para os dois dias, mais um quilo de alimento não perecível, ou R$ 40 o dia e um quilo de alimento não perecível. Diversão com boa ação faça parte disso!

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.