quarta-feira, 6 de Maio de 2015 09:40h Atualizado em 6 de Maio de 2015 às 09:54h. Mariana Gonçalves

Sindicato chama população de Divinópolis para preparação de manifesto

Será realizado hoje o primeiro encontro de preparação do manifesto previsto para ocorrer na semana de comemoração dos 103 anos de Divinópolis

A reunião irá começar a partir das 18h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores da Educação Municipal do Município de Divinópolis (Sintemmd), que fica na Rua Goiás, n°410, no 4°andar. A população em geral está convidada.

Segundo a diretora do Sintemmd, Maria Aparecida de Oliveira, o assunto discutido nesse encontro interessa diretamente a todos os cidadãos do município. “Estamos propondo a comunidade criarmos um movimento para enfrentarmos o momento da crise. A Prefeitura de Divinópolis já tomou algumas medidas administrativas para se proteger, porém com isso o prefeito impõe cortes em secretarias estratégicas, que acabam afetando diretamente a população”, explica.

Basicamente, o intuito do movimento é usar principalmente o período de festividade do aniversário da cidade, para mostrar ao prefeito, Vladimir Azevedo, que a crise não pode ser enfrentada sacrificando os cidadãos divinopolitanos. “Queremos contar com a participação de todas as lideranças. É um momento de crise, mas não podemos e nem conseguimos pagar o preço dessa crise. Não é essa cidade que o prefeito está apresentando que queremos. Então nossa intenção é também ir para as ruas, escolas, postos de saúde, para fazer esse debate com a população e mostrar de fato o que é que está acontecendo com o município”, afirma a diretora.

 

DESCUMPRIMENTO DE PROPOSTAS

Entre os pontos de insatisfação apresentados pela diretoria do Sintemmd, está a atual situação da educação na cidade. Recentemente, algumas das unidades dos Centros Municipais de Educação Infantil (Cmei's), sofreram o procedimento de aglutinação, o que segundo definição da própria Prefeitura, consistiu em pegar as crianças que estavam nos imóveis de Cmei’s alugados, e transferir para as recentes unidades entregues na cidade, que são obras maiores, imóveis projetados pelo Governo Federal.

No entanto, Maria Aparecida diz que esse procedimento nada mais fez do que fechar escolas, pois mesmo que os alunos tenham sido remanejados, os professores, pais e até mesmo as próprias crianças saíram no prejuízo, no que refere-se principalmente a qualidade do ensino. “Para nós, o prefeito está cometendo estelionato eleitoral, ou seja, ele fez uma plataforma eleitoral para angariar votos, e quando foi eleito veio ao contrário de tudo o que tinha proposto em campanha. Por exemplo, propôs manter escola de qualidade e o pagamento dos servidores em dia. Hoje ele fechou escolas, e diz que está aglutinando serviço, o que na realidade está é trazendo prejuízo à educação. No plano de carreira da educação está sendo proposto a terceirização, então o prefeito mantém o salário em dia, mas com uma condição imensamente precária de trabalho”, encerra a sindicalista.

 

Crédito: Mariana Gonçalves

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.