terça-feira, 20 de Outubro de 2015 08:56h Atualizado em 20 de Outubro de 2015 às 09:08h. Mariana Gonçalves

Sujeira em lote vago da Prefeitura incomoda população do Danilo Passos II

O Terreno, segundo relatos da população, já foi uma Praça – o lote situado entre o fim das ruas Maria José dos Santos e Geraldo Magela de Oliveira, no Bairro Danilo Passos II, pertence à Prefeitura de Divinópolis, e já abrigou um espaço de lazer para os moradores, no entanto, o que tinha na Praça foi completamente destruído e hoje, no local, só é possível ver os escombros, em meio a um matagal.
A aposentada, Maria da Conceição Silva, conta que, principalmente, devido à sujeira no terreno, o aparecimento de animais peçonhentos em sua residência e na dos vizinhos tem sido constante. “Há poucos dias, eu matei uma cobra aqui em casa, e minha vizinha também matou uma na casa dela, e lá ela tem criança pequena, então o perigo é ainda maior. A sujeira está impossível, às vezes até pago para roçarem o mato e juntar a sujeira, mas tá difícil. Tem aparecido ainda mais pernilongos e também ratos”, diz.
Conforme ainda destacou Maria, alguns moradores já recorreram ao presidente de bairro para tentar solucionar o problema, mas não resultou em nada. Nossa equipe de reportagem ouviu a população do Danilo Passos II em uma matéria feita em janeiro do ano passado, e as reclamações naquela época eram as mesmas de agora. “Quando vocês do Gazeta vieram aqui pela primeira vez fazer a reportagem, passou um período e eles [Prefeitura] deram uma pequena limpeza no lote, mas depois disso, não voltaram mais. Aqui tem outros lotes vagos - só que particulares, o qual eu também vivo pedindo pela limpeza. Estamos ficando prejudicados!”desabafa Maria.

 

 

SUJEIRA NA RUA

A Rua Maria José dos Santos é praticamente 'às costas' da Escola Estadual Professor Chico Dias, e os moradores questionam o excesso de mato nas calçadas que servem como acesso para que várias crianças cheguem à escola. Uma obrigação de limpeza que, de acordo com a população, seria também da Prefeitura.

 

 

INSEGURANÇA

Além de dona Maria, conversamos com outra moradora, porém a mesma preferiu ter sua identidade preservada, por medo de qualquer tipo de represália. A sujeira não é o único problema que desagrada à população, questões envolvendo a segurança pública também nos foram apontadas.
Os moradores reclamam que a falta de iluminação e o fato do terreno estar aberto, faz com que o espaço sirva de ponto de encontro para marginais. Quem volta do trabalho à noite alega ter receio de passar pela escuridão do terreno.

 


VISTORIA

Em resposta, a assessoria de comunicação da Prefeitura, em nota, apenas informou que a Secretária Municipal de Operações Urbanas fará uma vistoria no local.

 

Créditos: Mariana Gonçalves

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.