quarta-feira, 16 de Março de 2016 09:32h Atualizado em 16 de Março de 2016 às 09:40h. Mariana Gonçalves

Telefonia celular lidera ranking de reclamações do Procon em Divinópolis

Grande parte dos consumidores divinopolitanos já teve ou tem problemas com serviços de telefonia móvel

A afirmação é do Procon de Divinópolis, segundo a gerente interina,  Cybele Silva Machado Costa, os serviços de telefonia móvel está no topo da lista de reclamações registradas pelo órgão, um outro serviço também bastante reclamado pela população da cidade é quanto aos planos de saúde. “Infelizmente, o que estamos vendo é que as companhias de telefonia móvel estão crescendo muito, e não estão conseguindo oferecer aquilo que elas se propagam a oferecer. Temos também reclamações em relação aos planos de saúde, até mesmo em virtude daquela confusão que houve com as alterações nos planos”, acrescenta a gerente.
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou em janeiro deste ano, em seu portal online, o ranking dos piores serviços de telefonia móvel do Brasil. As operadoras foram classificadas de acordo com a quantidade de reclamações recebidas pela Anatel. A empresa Brasil Telecom ocupa o primeiro lugar da lista de reclamações, em segundo, está a TIM, Vivo e Oi empatadas em terceiro, CTBC Telecom em quarto e, por último, a operadora Sercomtel.
As reclamações consideradas pela Anatel para a elaboração do ranking estão relacionadas a cobranças indevidas, mau atendimento quando há solicitação do cancelamento do serviço, queixas quanto à área de cobertura e ao congestionamento nas ligações. A classificação foi feita com base na porcentagem do número de queixas em relação ao número total de clientes de cada operadora.

 

 

ALERTA

O Dia Mundial do Consumidor é comemorado anualmente em 15 de março, a data foi criada para proteger e lembrar sempre dos direitos do consumidor, não apenas entre as pessoas que consomem, mas que também as empresas e lojas lembrem do compromisso em respeitar todas as leis que protegem os seus consumidores. Na oportunidade, a gerente do Procon lembra aos consumidores alguns critérios importantes que devem ser analisados antes de fechar qualquer compra. “Leiam! Procurem sempre mais informações que puderem a respeito do produto e do ambiente em que está sendo vendido aquele bem. Qualquer compra e venda de produto é um contrato que você está fazendo, e o que vale é o que está escrito no papel”, destaca a gerente do Procon, alertando ainda que os consumidores chequem até mesmo os dizeres menores, que vêm nas propagandas e panfletos de promoção. “Todas as propagandas de promoção sempre têm as entrelinhas, que, geralmente, vêm nos rodapés, e não temos o costume de ler isso. Eu mesma já fui pega várias vezes nesta situação, cheguei até a loja pela propaganda de uma promoção que me atraiu e, quando vi as entrelinhas, tinha uma pegadinha, ou então o seu caso não se encaixa para aquele produto. Atenção é tudo!”, avalia.

 

 

AJUDA

O consumidor que se sentir lesado na compra de qualquer serviço ou bem, tendo como provar a situação, pode procurar o Procon de Divinópolis – situado na Praça do Mercado, os horários de atendimento são das 8h às 10h e das 13h às 16h, de segunda-feira a sexta-feira. “Não fazemos atendimento por telefone, o consumidor precisa comparecer aqui munido de xérox do documento de identidade, nota fiscal ou contrato, para que a gente possa abrir uma reclamação”, explica a gerente do órgão de proteção ao consumidor.
Por fim, Cybele esclarece a função do Procon. “Diante das informações passadas pelo consumidor, a gente entra em contato com a empresa da reclamação, e tenta marcar uma audiência. Buscamos uma solução administrativa, não conseguindo, a gente encaminha esse consumidor para entrar na justiça, porque não temos a força de um juiz, por exemplo, que manda e a empresa obedece. No entanto, temos conseguido muitos casos de forma administrativa”, completa.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.