quarta-feira, 4 de Maio de 2011 11:15h Venílton Ferreira

Trânsito intenso de veículos pesados incomoda moradores do B. Niterói

Comissão discute com Promotor melhorias para o local

Moradores do Bairro Niterói organizaram uma comissão para discutirem, juntamente com a Promotoria de Meio Ambiente, Secretaria de Planejamento e Secretaria de Obras Públicas, uma solução para um problema causado pelo trânsito intenso de veículos pesados em algumas ruas do bairro.
De acordo com José Nilton Teodoro, que está à frente da comissão, os moradores estão insatisfeitos desde o ano de 2006, quando foram implantadas as vias de mão única na Avenida Governador Magalhães Pinto e Rua Rubi, que passaram a receber o tráfego de caminhões e carretas carregadas com ferro, sucatas e outros materiais pesados. 


A principal reivindicação dos moradores que se sentem prejudicados é que, pelo menos, seja proibido o trânsito desses veículos pesados entre 22 horas e 06 horas, horário em que as pessoas estão dormindo.


Além do barulho causado pelo tráfego intenso os moradores estão se sentindo também prejudicados pelos danos provocados pelos veículos. Algumas casas estão apresentando rachaduras devido aos abalos provenientes dos caminhões e carretas, que passam pelo local 24 horas por dia.


Nilton Teodoro informou que, em 2006, após a implantação das mudanças na região, moradores entraram com um pedido junto à Promotoria, para que fosse melhorada a sinalização nas vias atingidas. Segundo ele ocorreram muitos acidentes com danos materiais e até alguns mais graves, como atropelamentos com feridos e vítimas fatais. Em setembro de 2009, aconteceu outra reunião com o Promotor, para que os veículos pesados fossem remanejados para outros locais. “Existe um estudo na prefeitura para desviar o trânsito, mas não sabemos quando e nem se será concluído e implantado. O ideal seria que todos os caminhões e carretas passassem a circular por outras vias onde não prejudicassem ninguém. Nós, já não estamos aguentando mais e os mais prejudicados são as crianças, os idosos e enfermos”, completa o morador. 
 

Os moradores, no início de 2009, já haviam elaborado um pedido de melhorias à antiga Divitrans, inclusive dando sugestões relativas ao trânsito no bairro, porém, não obtiveram nenhuma resposta. A promotoria foi acionada e uma nova reunião foi marcada com as lideranças. Naquela oportunidade ficou decidido que a Secretaria de Meio Ambiente iria ao local para medição do barulho produzido pelos veículos e que os moradores participariam dos trabalhos, mostrando os locais e horários de maior incidência. Mas a secretaria não avisou os moradores e ainda, segundo José Nilton, foram usados agentes da Settrans para controlar o fluxo, o que prejudicou na medição dos decibéis.

 


Para nova tentativa de se chegar a um acordo foi realizada uma reunião às 14 horas desta segunda-feira (02), com a participação do Promotor Sérgio Gildin, um representante da Secretaria de Meio Ambiente, da Polícia Militar de Meio Ambiente e o Presidente da Associação de Moradores. No entanto nenhuma solução foi apresentada em prol dos moradores. O engenheiro Júlio Valério, da Settrans, pediu um prazo de 180 dias para avaliar a situação. O representante da Gerdau disse que a empresa está distribuindo um folheto educando os motoristas que transitam pelos locais reclamados e que precisa se comunicar com os fornecedores para ver o que pode ser feito em relação aos horários de tráfego dos motoristas, principalmente os que trafegam à noite. O promotor estipulou um prazo de 15 dias para que haja uma solução, pelo menos, para o barulho causado pelos caminhões.
De acordo com José Nilton Teodoro, após esse prazo, será realizada na quadra da Igreja do Sr. Bom Jesus uma assembleia com os moradores para organizarem uma manifestação pelas ruas do bairro, com confecção de faixas e cartazes. Para essa assembleia serão convidadas várias lideranças, como vereadores e os deputados representantes da cidade. 
 

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.