quarta-feira, 19 de Setembro de 2012 13:35h Mariana Gonçalves

Tribunal Superior do Trabalho se reúne hoje com funcionários dos correios

Na manhã de hoje, acontece em Brasília, a primeira reunião de conciliação do pedido protocolado pelos Correios contra a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares,Fentect. A audiência está marcada para acontecer ás 10h30, na sede do Tribunal Superior do Trabalho. O processo foi distribuído para a vice-presidente do TST, ministra Cristina Peduzzi, responsável por designar e presidir audiências de conciliação e instrução de dissídio coletivo.

 


De acordo com nota enviada pelos Correios à imprensa, a ação protocolada pela ECT pede a intermediação do TST, em vista da greve e do esgotamento das negociações com a Fentect. A ação também solicita revisão do acordo vigente, fruto do dissídio de greve de 2011 e que tem validade por quatro anos. Os funcionários reivindicam ainda que o Tribunal esclareça uma cláusula do acordo sobre a concessão de um vale-refeição/alimentação extra em dezembro de 2011, já pago pela empresa.

 

A proposta da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos é  reajuste de 5,2% nos salários e benefícios, garantindo o poder de compra do trabalhador com a reposição da inflação do último ano. O salário base inicial, por exemplo, iria ser reajustado para R$ 991,77 e se somado o adicional de atividade que os carteiros recebem o vencimento subiria para R$ 1.289,30.

 

Conforme informações dos correios, nos últimos nove anos os trabalhadores da ECT tiveram até 138% de reajuste salarial, sendo 35% de aumento real.

 

O resultado parcial das primeiras assembleias estaduais é que os trabalhadores não aceitaram a proposta de reajuste salarial feita pela diretoria dos Correios, mas poucos decidiram paralisar os serviços. Por enquanto faltam ainda 10 sindicatos para se reunir e avaliar as propostas. Na quarta-feira passada, parte dos sindicatos da Federação dos trabalhadores de Minas Gerais e do Pará, optaram por paralisar suas atividades. Porém essa paralisação não afetou os serviços prestados pela empresa Correios de Divinópolis.

 


Embora o calendário de mobilização da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares, Fentect, aponte para o início de uma paralisação nacional por tempo indeterminado a expectativa é que seja fixado um acordo entre os funcionários e a empresa ainda este mês.

 


Entre os estados que não devem aprovar a greve caso não tenha acordo firmado, serão São Paulo e Rio de Janeiro, que juntos detêm cerca de 40% dos funcionários dos Correios.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.