sexta-feira, 12 de Agosto de 2016 14:20h Atualizado em 12 de Agosto de 2016 às 14:23h. Pollyanna Martins

UFSJ lança projeto para popularizar pesquisas científicas

Cartazes foram afixados em determinadas linhas de ônibus para divulgar resultados e aplicações de pesquisas científicas utilizando uma linguagem popular

POR POLLYANNA MARTINS

pollyanna.martins@gazetaoeste.com.br

 

A Universidade Federal São João Del Rei (UFSJ) lançou o projeto de extensão “Ciência em Movimento”. A iniciativa consiste em popularizar pesquisas científicas e, para isso, cartazes foram afixados em algumas linhas de ônibus urbanos de Divinópolis, traduzindo para uma linguagem mais popular temas atuais e diversos de interesse científico e tecnológico. De acordo com o autor do projeto e técnico da UFSJ, Adriano Parreira, o projeto de extensão começou a ser desenvolvido no início deste ano, após ser aprovado pela Pró-Reitoria de Extensão (PROEX-UFSJ), contemplou um estudante com uma bolsa, e pode ser iniciado. Conforme Adriano, o projeto tem como objetivo transmitir para a população parte do conhecimento científico e tecnológico, que muitas vezes fica restrito no ambiente acadêmico. “Muitas vezes essas descobertas, essas pesquisas, todo tipo de inovação que se desenvolve dentro da academia é publicada no artigo científico internacional, em inglês e a comunidade não se apropria destas informações”, explica.

O projeto é executado por Adriano, pelo aluno contemplado com a bolsa, Rafael Pacheco, e o produtor gráfico. O projeto será desenvolvido durante um ano e, dentro dele, serão trabalhados oito temas. A primeira publicação é sobre o “Aedes aegypti - implicações da proliferação e possível controle biológico baseado em mosquitos transgênicos e na presença de Wolbachia”. Segundo o autor do projeto, há uma descoberta por um grupo da Austrália que, quando o Aedes Aegypti tem no seu trato gastrointestinal a bactéria Wolbachia, ele não é capaz de transmitir o vírus da dengue para a população. “O nosso objetivo é transferir para a população de uma forma geral esse conhecimento, essa descoberta que tem tanta relevância sob o ponto de vista da saúde pública”, esclarece. Adriano ressalta que outro objetivo do projeto é despertar o interesse dos jovens pela carreira científica. Conforme o autor do projeto, a maioria das descobertas científicas afeta a população direta ou indiretamente, por isso a importância de despertar o interesse de todos. “Inclusive, nesses cartazes contêm os endereços eletrônicos de um blog e uma fanpage para aqueles que tiverem o interesse de discutir, comentar, aprofundar o conhecimento em relação a todos os temas que serão abordados”, informa.

Outros temas, como aquecimento global, AIDS, drogas e álcool, acidente vascular cerebral (AVC), câncer de mama e próstata, Mal de Alzheimer e fosfoetanolamina. Segundo Adriano, os artigos científicos acerca destes temas têm que ser trabalhados de forma que a linguagem seja acessível para a população, e que todos consigam entender, apesar do teor científico tecnológico. “Temos vários outros temas que estamos tentando ampliar, sair dessa limitação de oito [temas]”, afirma. De acordo com o autor do projeto, serão divulgados também os resultados e aplicações de pesquisas científicas desenvolvidos no Campus Centro-Oeste Dona Lindu, para despertar a atenção da população os benefícios que podem resultar da pesquisa científica. “Além desses temas, que, de certa forma, são temas globais, tratados pela comunidade científica do mundo todo, existem pesquisas de ponta que são desenvolvidas aqui na UFSJ em Divinópolis, que nós pretendemos divulgar”, garante.

 

CONTINUIDADE

 

Conforme Adriano, a escolha por executar o projeto com cartazes afixados em ônibus é para que o máximo de pessoas sejam atingidas e se interessem sobre o assunto. “No ônibus, as pessoas estão paradas e é uma oportunidade que elas têm de aproveitar o tempo e aprender um pouco mais”, frisa. O autor do projeto ressalta que há ainda a intenção de dar continuidade no projeto após os doze meses. Segundo Adriano, em um primeiro momento, o propósito foi despertar o interesse da população por temas de cunho científico tecnológico, para, a partir disto, ser construída uma plataforma maior. “Inclusive elaborar algumas formas de apresentar para os interessados alguns experimentos, algo que seja mais palpável. São propostas futuras ainda”, estabelece.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.