sexta-feira, 21 de Agosto de 2015 11:12h Mariana Gonçalves

Usina de Rima retoma atividades em novo espaço

O Usina de Rima está retomando suas atividades em um novo local, a partir das 16h de amanhã, as ações ligadas ao coletivo irão ocorrer no Espaço Plural, localizado na Rua Ceará n°134. Haverá apresentações do Quinta Visão de Itaúna, Gatilho de Itaúna, Duelo de MCs (O vencedor irá faturar uma tattoo do Kbide), as inscrições podem ser feitas no dia do duelo. Será realizada ainda uma Roda de Poesias.
Conforme explica um membro do Usina de Rima, Bernardo Passos, o valor da entrada é de apenas R$5. Será sorteada para o público presente uma tatuagem feita pelo Kbide Tattoo, no entanto para ter direito ao sorteio, ao invés de R$5, a pessoa pagará R$10 na entrada.
“O Usina de Rima é um evento que quer manter viva a cultura do Hip Hop, e do Rap. É interessante que a maioria dos participantes que estão vindo se apresentar, são pessoas de fora, temos muita gente talentosa que está escondida aqui na cidade, e aos poucos, estamos descobrindo essas pessoas”, destaca Bernardo.
Bernardo salienta ainda que a cidade carece de mais locais culturais que atendam à juventude, e a parceria do Usina com o Espaço Plural vem para oferecer oportunidade a quem desejar se expressar culturalmente, um espaço apropriado para isso. Quem desejar entrar em contato ou até mesmo acompanhar a agenda de atividades do Usina, basta acessar a página online www.facebook.com/usinaderima.

 

PLURAL

O Espaço Plural é uma casa onde se concentra diversos coletivos e é gerenciada por todos esses coletivos para realizar de seus trabalhos. O espaço se mantém de uma economia colaborativa entre seus usuários. É aberto a qualquer cidadão que queira se juntar aos coletivos, ou então que queira usar o local para apresentação de atividades culturais. “A ideia do Espaço Plural é tentar construir um centro de artes que vários coletivos, vários grupos e artistas independentes também possam se apropriar para fazer coisas aqui, temos a necessidade de ter algum lugar para que haja expressões artísticas. O Centro de Artes de Divinópolis tem foco nas artes plásticas, mas nem isso lá tem, e não é uma coisa difícil. Se formos pensar, por exemplo, que aqui nessa casa já estamos há uns seis meses, e nesse período já tivemos cerca de seis eventos por mês, isso mostra que a cidade precisa e tem necessidade”, afirma o presidente da Associação Ponto de Cultura, Cochise César .
Cochise diz que o espaço é um facilitador para a organização de eventos culturais, pois as bandas e pessoas que têm algum trabalho artístico, muitas das vezes contavam com o aluguel de equipamentos de som para se apresentar, a casa oferece esse aparato e ainda propicia ao público um ambiente descontraído e animado. “Queremos é facilitar. Vimos que desde 2009 para cá, o Ponto de Cultural, que é um projeto do Governo Federal, era gerido pela Funedi, que comprou um equipamento de som para apresentações, e isso reduziu o custo de você fazer qualquer evento em Divinópolis, daí surgiu uma série de coletivos para fazer eventos, porque estava mais fácil, antes desse som existir, as pessoas tinham que alugar, e isso é caro, com isso, o evento tinha que ter um caráter mais comercial porque a pessoa iria precisar pagar o que investiu, mas hoje isso não existe mais. O que queremos, é criar mecanismos para que as pessoas se expressem culturalmente e o público encontre essas expressões”, completa.

 

Credito: Mariana Gonçalves

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.