terça-feira, 11 de Outubro de 2016 14:50h Mariana Gonçalves

Valor da cesta básica registra mais um forte aumento em Divinópolis

MARIANA GONÇALVES
mariana.goncalves@gazetaoeste.com.br

 

A tradicional pesquisa de preços da cesta básica, reali­zada pelo Núcleo de Pesquisas Econômicas (Nupec) - vin­culado à Faced, revelou que, em setembro, o valor da cesta básica divinopolitana regis­trou uma majoração de 1,64% em relação ao mês de agosto. Com isto, o novo custo da cesta elevou-se para R$ 367,11. Em doze meses, o custo da cesta aumentou 38,28%, variando de R$ 265,49 para os atuais R$ 367,11.

O aumento do valor da cesta básica foi influenciado basicamente pelos seguintes produtos: banana (14,17%), café em pó (8,01%) e açúcar (7,45%).

Nos meses de agosto e setembro, a oferta da banana sofreu expressiva retração, causada pela instabilidade climática e geadas nas áreas produtoras de São Paulo e Sul do país. Pelo quarto mês con­secutivo, o preço da banana caturra registrou elevação no mercado divinopolitano. Em maio, o preço médio do quilo da banana caturra nos super­mercados de Divinópolis era de R$ 2,23, no mês de agosto, o valor médio estava na casa dos R$ 3,77 e, em setembro, R$ 4,31, resultando num novo recorde, em termos reais, da série histórica do Nupec, ini­ciada em julho de 2006.

O preço do café em pó também vem registrando uma trajetória de elevação nos últi­mos meses. O comportamento de alta dos preços é resultado do aumento da cotação do café no mercado internacio­nal e da retração da oferta no mercado interno por causa das instabilidades climáticas.

AÇÚCAR

Após a estabilidade dos preços em julho e início de agosto, o preço do açúcar no mercado interno apresentou elevações em quase todas as regiões do Brasil em setembro. A perspectiva de aumento na demanda internacional e a queda na produção de gran­des produtores internacionais estimularam as exportações brasileiras, resultando numa diminuição da oferta no mer­cado interno. Em Divinópolis, o preço médio do quilo variou de R$ 2,35 em agosto para R$ 2,52 em setembro.

SUBSTITUIÇÃO

Com preços acima do nor­mal, o consumidor que busca alternativas para evitar prejuí­zo na hora de comprar os itens básicos para a família precisa pesquisar bastante antes de comprar. Além disso, os con­sumidores podem optar por fazer a substituição dos itens mais inflacionados.

Peixes e frango são boas opções para substituir a carne bovina, por exemplo. A batata pode dar lugar à abobrinha, algumas hortaliças estão a preços mais acessíveis, po­dendo também ser uma opção inclusa no cardápio. Procure dar preferência para os frutos típicos da época, como abaca­te, caqui, kiwi, laranja, mamão, dentre outros.

Segundo especialistas, a previsão é de que, neste ano, as más condições cli­máticas deverão continuar prejudicando a safra agrí­cola brasileira, o que pode resultar em preços ainda mais altos.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.