sexta-feira, 17 de Abril de 2015 11:42h Atualizado em 17 de Abril de 2015 às 11:47h. Mariana Gonçalves

Vila Vicentina Padre Libério passa por dificuldades financeiras

Localizada no bairro Niterói, a Vila Vicentina Padre Libério atende atualmente 83 idosos

Devido à crise financeira enfrentada pela instituição, surgiram dificuldades para manter ativos serviços essenciais na vila.
A administração da instituição deseja contar mais uma vez com a caridade dos divinopolitanos para a arrecadação de fraldas e alimentos não perecíveis. Os donativos podem ser entregues na Rua do Ferro, nº 411. De acordo com a assistente administrativa da Vila, Karen Maria Gonçalves, as fraldas até então utilizadas eram de fabricação própria da instituição, mas o dinheiro não estava sendo suficiente para comprar a matéria prima necessária.
Por esse motivo a fabricação precisou ser interrompida na instituição. “Estamos até recebendo doações de fraldas, mas elas já estão acabando. Pedimos a Deus e ao Padre Libério para nos ajudar a conseguir mais fraldas ou então o dinheiro, para assim voltarmos a produzir”, destaca Karen.
As despesas mensais da Vila giram em torno de R$ 85 mil. “Temos encargos, salários dos funcionários, contas de água e luz. Principalmente agora, com os aumentos da energia, pesam ainda mais as contas. Oferecemos aos nossos internos quatro refeições por dia e, além disso, temos o custo com fraldas – quando não recebemos a doação – e com algum medicamento que por ventura não é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS)”, pontua a assistente administrativa.

 

CONHEÇA
Segundo Karen, a Vila foi fundada em 1944. Na época o local abrigava cidadãos que saiam para trabalhar durante o dia e retornavam à vila para dormir à noite. Mas na década de 1970 as regras da instituição foram alteradas e a Vila passou a acolher somente pessoas idosas, em situação não somente de abandono, mas também aquelas que não tinham família.
“Desde 2003, quando o Estatuto do Idoso passou a vigorar, ele considera que a partir de 60 anos a pessoa já é idosa, então seguimos esse estatuto e acolhemos as pessoas a partir dos 60 anos. Primeiro é feito todo um processo de admissão com a assistente social, ela realiza visitas, faz as entrevistas, para depois admitir esse idoso. Atualmente a nossa demanda tem sido mais pelos serviços de enfermaria, com pessoas do sexo feminino”, conta Karen.
A instituição oferece serviços médicos de um clínico geral e de um fisioterapeuta. “Procuramos oferecer também entretenimento com brincadeiras e passeios, tudo isso para dar uma melhor qualidade de vida a essas pessoas”, explica assistente administrativa.
Sobre o setor financeiro da Vila, Karen contou que a partir do momento em que o idoso passa a morar no local, sendo do consentimento da família e estando toda a papelada preenchida, é elaborado um documento que autoriza o procurador da instituição a receber o benefício pelo idoso. Cabe destacar que o dinheiro é convertido integralmente para o custeio das despesas do idoso na instituição.
“Contamos com um recurso federal mensal de R$ 5 mil mês e a ajuda da comunidade. Recebemos doações de medicamentos, materiais de limpeza e higiene, dinheiro e ainda roupas. Pegamos algumas roupas para os nossos idosos, de acordo com que eles usam, e o que fica [de sobra] realizamos aos domingos um bazar, que funciona aqui na porta da vila, para nos ajudar a comprar os materiais que precisamos. Convido as pessoas para conhecer a instituição, conhecer cada idoso e doar um pouquinho de seu tempo para oferecer a estes idosos um pouco de carinho e atenção”, finaliza Karen.

 

 

Crédito: Mariana Gonçalves

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.