quinta-feira, 2 de Julho de 2015 12:11h

Volta do FIES: uma conquista dos estudantes

Mais do que escolher uma profissão e seguir uma formação superior que garantirá melhores oportunidades do mercado, é importante os candidatos a uma das vagas no Ensino Superior se informarem sobre as imensas facilidades de acesso ao Ensino Superior

Sair da faculdade com a preocupação de quitar uma dívida já impediu muita gente de buscar os seus sonhos profissionais. O Prouni revolucionou o acesso ao Ensino Superior para alunos com necessidades financeiras e que preenchem os pré-requisitos do programa. Entretanto, mesmo remodelado e com novas regras impostas pelo Governo Federal, o FIES continua sendo o programa que realmente abriu as portas do Ensino Superior para milhares de pessoas que jamais imaginaram adentrar às portas de uma faculdade ou universidade.
O Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação na educação superior em instituições privadas. Podem recorrer ao financiamento os estudantes matriculados em curso superior com avaliação positiva nos processos conduzidos pelo Ministério da Educação. O atual FIES, mesmo passando por remodelações e ajustes, tem algumas características interessantes, tais como: financia até 100% das mensalidades do curso selecionado; taxa de juros atraentes; parcelas do financiamento são mensais e com valores fixos; 18 meses de carência após o final do período de financiamento; período de pagamento de até 3 vezes a duração do curso mais 12 meses.
Recentemente reformulado mas mantendo uma taxa de juros extremamente acessível, o FIES possui características que facilitam a realização do sonho de ingresso na faculdade e a conclusão do curso superior.  Na Faculdade Pitágoras de Divinópolis, por exemplo, os alunos conseguem financiamento de até 100% das mensalidades, em todos os 20 cursos oferecidos pela Instituição (todos são elegíveis). Na grande maioria dos casos, a burocracia é quase nula e os interessados conseguem contratar o financiamento sem a necessidade de fiador, incluindo até a taxa de matrícula no contrato. Ou seja, o que antes demorava-se meses ou até anos para se conseguir, neste novo formato, é resolvido em questão de horas. E o estudante é o maior beneficiado neste momento importante do Ensino Superior no Brasil.

Com as novas mudanças, o limite é a renda per capita na família passa a ser de 2,5 salários mínimos. Antes, esta renda era ade 20 salários mínimos. Segundo o governo, o Fies é para os estudantes que são mais pobres e precisam de financiamento. O governo garante que 90% das famílias brasileiras estão no novo limite de renda. Além disso, as áreas de engenharias, formação de professores (licenciaturas, pedagogia ou normal superior) e saúde serão prioritárias. Segundo o governo, estes cursos são considerados estratégicos para o desenvolvimento do país ou para atendimento de demandas sociais. Alunos de outros cursos continuarão a ser atendidos. E, por fim, os cursos mais bem conceituados junto às avaliações do MEC terão prioridade nos novos financiamentos. O foco serão os cursos com notas 5 e 4 no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES). Antes, o MEC exigia avaliação positiva no Sinaes. No primeiro semestre, passou a adotar o critério e cursos com nota 4 ou 5 somaram 52% dos financiamentos.
Mesmo sendo mais restritivo, o FIES retoma um ciclo de democratização de acesso ao Ensino Superior e os interessados em buscarem uma formação mais profunda, procurando melhores e mais rentáveis oportunidades no mercado de trabalho, devem ficar atentos a tudo que é noticiado sobre o FIES, com vistas a realizar o grande sonho de concluir um curso superior.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.