quinta-feira, 21 de Janeiro de 2016 09:19h Mariana Gonçalves

Volume das águas do Rio Itapecerica começa a abaixar

Durante quase todo o dia de ontem, o céu de Divinópolis se manteve fechado, porém sem chuva

Ao que tudo indica, termina ainda essa semana o pânico da população, em relação a uma possível enchente no município. Desde o inicio da semana, o Jornal Gazeta do Oeste tem acompanhado todos os acontecimentos envolvendo o rio, para, principalmente, tranquilizar os cidadãos, que conforme já noticiamos anteriormente, ficaram em estado de pânico total com notícias falsas que circularam na internet.
Segundo a assessoria de comunicação da Prefeitura, com informações da Defesa Civil, o volume das águas do Itapecerica já começou a abaixar. A medição feita na manhã de ontem, precisamente às 8h, mostrou que o rio estava com 5,3 metros, aproximadamente 3 metros acima do normal, uma nova medicação realizada por volta do meio dia (ainda de ontem) apontou 5,2 metros.

 

 

INTERVENÇÃO

A Defesa Civil removeu duas famílias de suas residências, por questões de segurança, na noite de terça-feira (19). No Danilo Passos, a água da chuva invadiu uma casa e os moradores tiveram que ser alojados no ginásio poliesportivo do Centro. Na manhã de ontem, foram para casa de familiares no bairro Manoel Valinhas.
No bairro Candelária, também devido à água de chuva, a família teve que deixar a residência, no entanto, os ocupantes do imóvel alugaram uma residência no Santa Tereza, onde permanecerão de agora em diante.
A Defesa Civil foi acionada também e uma ocorrência de deslizamento no Alto São João de Deus. O barranco cedeu e atingiu o muro de uma casa, não houve feridos. A terra já foi retirada do local.

 

 


ALAGAMENTOS

Além da situação do rio, a chuva trouxe também outra preocupação aos divinopolitanos, os alagamentos. Foi só chover e vários pontos da cidade viraram um caos. No Bom Pastor, a Avenida JK e a Rua Pitangui concentraram um volume considerável de água, muitos moradores locais, inclusive, colocaram nas redes sociais fotos das ruas, que pareciam verdadeiras piscinas. Outro ponto, que também foi registrado alagamento, foi próximo ao Calçadão do Porto Velho. Inclusive, nossa equipe percorreu, ontem, trechos do calçadão e ainda é possível ver as possas de água no chão. Sem contar os bairros, que quando não está sofrendo com os alagamentos, então encarando os lamaçais.

 

 


NO ESTADO
A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais (CEDEC/MG), tendo em vista o acumulo significativo de chuvas nos últimos dias, enviou aos órgãos de imprensa um comunicado, alertando aos cidadãos para o risco de deslizamento de terra nos municípios de Belo Oriente, Dom Joaquim, Engenheiro Caldas, Fernandes Tourinho, Frei Inocêncio, Governador Valadares, Iapu, Itanhomi, Mantena, Materlândia, Morro do Pilar, Naque, Nova Belém, Periquito, Resplendor, Sabinópolis, Santo Antônio do Itambé e Sardoá.
Existe risco de inundação nos municípios de Coroaci, Dom Cavati, Itanhomi e Mutum. Para os próximos 4 dias, é esperado acumulados de chuva superiores a 100 milímetros em grande parte de Minas Gerais, exceto no Triângulo. Segundo o Sistema de Meteorologia e Recursos Hídricos de Minas Gerais (SIMGE), no período de 16 a 20 de janeiro houve acumulados significativos de chuva no estado, ultrapassando os 40mm/h em diversas cidades em cada uma das mesorregiões, totalizando 18 cidades com acumulado acima dos 100mm. A CEDEC orienta as pessoas moradoras de áreas de risco que se informem antecipadamente com a Defesa Civil de seu município e observem os sinais de perigo. Sob qualquer ameaça, o morador deve entrar em contato com a Defesa Civil, com o Corpo de Bombeiros ou com a Polícia Militar, pelos telefones 199, 193 ou 190, respectivamente

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.