O Significado da Quaresma e Seu Contexto Alimentar

A palavra Quaresma é originária do latim quadragésima.

A palavra Quaresma é originária do latim quadragésima e é utilizada para designar o período de quarenta dias que antecedem a festa ápice do cristianismo: a Ressurreição de Jesus Cristo, comemorada no famoso Domingo de Páscoa. Esta prática data desde o século IV.
Prática que ocorre desde o século IV, a Quaresma, tem início na quarta-feira de cinzas e término na quarta-feira da Semana Santa, e é quando os católicos realizam a preparação para a Páscoa. O período é reservado para a reflexão, a conversão espiritual, ou seja, o católico tenta aproximar-se de Deus visando o crescimento espiritual.Cerca de duzentos anos após o nascimento de Cristo, os cristãos começaram a preparar a festa da Páscoa com três dias de oração, meditação e jejum. Por volta do ano 350 d. C., a Igreja aumentou o tempo de preparação para quarenta dias. Assim surgiu a Quaresma.

Qual é o significado desses quarenta dias?
Na Bíblia, o número quatro simboliza o universo material. Os zeros que o seguem significam o tempo de nossa vida na terra, suas provações e dificuldades. Portanto, a duração da Quaresma está baseada no símbolo deste número na Bíblia. Nela, é relatada as passagens dos quarenta dias do dilúvio, dos quarenta anos de peregrinação do povo judeu pelo deserto, dos quarenta dias de Moisés e de Elias na montanha, dos quarenta dias que Jesus passou no deserto antes de começar sua vida pública, dos 400 anos que durou a estada dos judeus no Egito, entre outras.

Ainda é costume jejuar durante a Quaresma?
Sim, ainda é costume jejuar na Quaresma.A igreja propõe o jejum principalmente como forma de sacrifício. Oficialmente – pela lei da Igreja-, o jejum deve ser feito pelos cristãos batizados, na quarta-feira de cinzas e na sexta-feira santa. O jejum, assim como todas as penitências, é visto pela igreja como uma forma de educação no sentido de se privar de algo e reverte-lo em serviços de amor, em práticas de caridade. Os sacrifícios podem ser escolhidos livremente e são, geralmente, baseados em privação de algo de que se goste muito – não comer doces, não fumar, não consumir bebidas alcoólicas – ou em atitudes de caridade, como visitar um asilo ou destinar parte do salário para algum projeto beneficente.
O jejum quaresmal
A verdadeira Quaresma, com os quarenta dias de jejum e abstinência de carne, data do início do século IV. O jejum consistia originariamente numa única refeição tomada à tardinha; por volta do século XV tornou-se uso comum o almoço ao meio-dia. No entanto, com o correr dos tempos, verificou-se que era muito  penosa a espera de vinte e quatro horas e foi-se, por isso, introduzindo o hábito de se tomar alguma coisa à tarde, e logo mais também pela manhã, costume que vigora ainda hoje. O jejum atual, portanto, consiste em tomar uma só refeição diária completa, na hora de costume: pela manhã, ao meio-dia ou à tarde, com duas refeições leves no restante do dia.
A Igreja prescreve, além do jejum, também a abstinência de carne, que consiste em não comer carne ou derivados, em alguns dias do ano, que variam conforme determinação dos bispos locais.  No Brasil são dias de jejum e abstinência a quarta-feira de cinzas e a sexta-feira santa – início e final da Quaresma.
Muitas pessoas principalmente católicos, se privam do prazer de comer carne na quaresma, então preparei essa semana uma receita de Bacalhoada super interessante para fazer.

Bacalhoada tradicional

Ingredientes
2kg de bacalhau dessalgado
1kg de batata descascada
1kg de tomate maduro fatiado
2 cebolas fatiadas
2 pimentões verdes fatiados
1 xícara (chá) de azeitonas pretas inteiras
2 ovos cozidos e fatiados
1/2 xícara (chá) de azeite
2 colheres (chá) de orégano
1 maço de couve
Azeite de oliva para untar
Modo de preparo
Cozinhe o bacalhau e as batatas em bastante água até amaciar. Escorra, fatie as batatas em um refratário untado com azeite de oliva, intercale camadas de batatas, de bacalhau, de tomate, de cebola, de pimentão e de azeitonas. Decore com o ovo cozido, regue com 1/2 xícara (chá) do azeite, espalhe o orégano, cubra com papel-alumínio e leve ao forno médio, preaquecido, por 20 minutos. Retire o papel e asse por mais 10 minutos. Em uma panela com água fervendo, coloque a couve e cozinhe por 3 minutos, esprema formando trouxinhas para retirar o excesso de água e reserve. Coloque as trouxinhas de couve no meio da bacalhoada e sirva.


Em Março, curso de Alta Gastronomia no Bar do Gelu,com o Chef  Dudu Jáber,
Inscrições (37)9937-1826 ou (37)9905-3688

 

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.