quinta-feira, 13 de Setembro de 2018 16:41h Jordana Amaral

Em alerta: Seca já deixa 100 cidades de Minas no sufoco

Número registrado desse ano é 28% maior do que 2017

 

A falta de água por causa da escassez de chuva já atinge 100 munícipio em Minas Gerais. O número de cidades atingidas é 28% maior neste ano, do que se comparado ao mesmo período de 2017. Os dados são da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec\MG).

 

O Norte de Minas é onde são identificadas as situações mais críticas, pois 78 localidades sofrem com a falta de água. Prefeituras lançam mão de medidas paliativas, como a perfuração de poços artesianos e distribuição do recurso natural em caminhões-pipa. Em oito cidades, o sistema de racionamento já foi adotado pela Copasa.

 

Em alguns casos, como em Pedra Azul, no Jequitinhonha com 23 mil habitantes, chuvas significativas não são registradas há um ano. “Temos feito o racionamento há três meses. Um dia, cortamos a água em um bairro. Em outro, já são quatro bairros durante a manhã e à tarde”, diz Layane Almeida Ramos, chefe de Inspeção de Parques e Jardins da Secretaria Municipal de Obras.

A Copasa informou que o período de estiagem resultou na redução do nível de diversos mananciais, fator que afeta unidades de produção e distribuição de água. Obras estão sendo executadas no Norte do Estado pela companhia para amenizar a crise.

Em Montes Claros, a captação do rio Pacuí está na fase de testes para iniciar operação. “A estrutura prevê dois quilômetros de adutora de água bruta, captada no rio, até uma Estação de Tratamento de Água, de onde será encaminhada para o reservatório de distribuição em Montes Claros, por meio de 54 quilômetros de redes”, disse a empresa.

Apesar dos números e dramas relatados, o coordenador do Departamento de Defesa Civil da Associação dos Municípios da Área Mineira da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), Sérgio Nassau, diz que a situação hídrica, neste ano, está melhor do que em 2017. “Mesmo tendo que usar caminhões-pipas nas áreas rurais, o que é rotineiro, a situação pode ser classificada como de controle”.

 

Fonte: Portal Arcos 

© 2009-2018. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.