sexta-feira, 9 de Fevereiro de 2018 13:11h

Enfermeiros da UPA podem entrar em greve

Assembleia geral realizada na noite de ontem (8) definiu os próximos passos da categoria

O atraso no pagamento dos salários dos servidores público, devido a problemas no repasse por parte do Governo do Estado, começou a atingir pontos essenciais em Divinópolis. Foi realizada, na noite de ontem (8), uma assembleia geral entre os enfermeiros e equipe técnica da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA 24h) e caso o pagamento não seja efetuado em 72 horas, a greve será iniciada.

O pagamento deveria ter sido feito na última quarta (7), porém, devido a problemas financeiros, o valor não foi quitado e a Prefeitura prometeu depositar hoje (9) apenas R$ 1 mil. Como os atrasos já eram frequentes, a categoria decidiu realizar a assembleia para determinar os próximos passos.

GREVE

A assembleia foi realizada na noite de ontem (8) e contou com representantes do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de Minas Gerais (SEEMG) e do Sindicato dos Trabalhadores de Divinópolis e Região Centro-Oeste (Sintram).

De acordo com a diretora do SEEMG, Elina Rosa Coelho, a categoria precisa cumprir o prazo de 72 horas para iniciar o movimento e apenas caso o Município pague o valor total o movimento será interrompido. “Essa não é a primeira vez que isso acontece, todo mês tem esse atraso, além do pagamento vir parcelado. Isso causa vários transtornos para os trabalhadores, porque eles têm contas para pagar e elas não esperam e esse desgaste prejudica diretamente no trabalho”, contou.

Ainda segundo Elina, como os benefícios são pagos na folha, os trabalhadores estão com vale-transporte e vale-refeição em atraso e alguns estavam pagando com o próprio dinheiro, para se deslocarem ao trabalho. “Nós temos ainda alguns trabalhadores que estão de férias, porém não receberam as férias. A categoria já está estressada com essa situação, o que tem tornado as condições de trabalho inviáveis. Todo mundo está pagando as contas com juros, porque, quando os boletos chegam, não têm dinheiro”, completou.

Conforme determina a legislação, caso o movimento seja iniciado, a unidade funcionará com apenas 30% do efetivo, afetando diretamente a qualidade do atendimento.

Caso a Prefeitura não se manifeste e deixe de realizar o pagamento no prazo de 72 horas, a UPA estará com equipe reduzida durante os atendimentos no final de semana de Carnaval.

De acordo com a assessoria de comunicação da Prefeitura, o atraso no pagamento de todos os servidores se deve à falta de repasses por parte do Governo para o Município. O Estado não repassou, até o momento, o valor de R$ 9 milhões, referente ao Imposto Sobre Veículos Automotores (IPVA).

OUTRAS CATEGORIAS

Parte do corpo clínico da unidade também está com o pagamento em atraso e receberá apenas R$ 1 mil hoje (9). Ao contrário do cenário de meses atrás, agora, os contratados pela Santa Casa estão com o pagamento em dia, e os servidores do município atrasados.

Os profissionais ainda não informaram se irão aderir ao movimento dos sindicatos e, até o momento, além dos enfermeiros, deve participar da greve a equipe técnica, representada pelo Sintram.

© 2009-2018. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.