terça-feira, 15 de Julho de 2014 07:06h Atualizado em 15 de Julho de 2014 às 07:11h.

Alemanha vence e convence no Mundial disputado no Brasil

Foi um jogo de paciência, no estádio do Maracanã, e a Alemanha soube esperar o momento certo para dar o golpe mortal na Argentina, com gol de Mario Götze

Foi um jogo de paciência, no estádio do Maracanã, e a Alemanha soube esperar o momento certo para dar o golpe mortal na Argentina, com gol de Mario Götze, para enfim conquistar o tetracampeonato da Copa do Mundo, neste domingo, no Rio de Janeiro. Em um duelo equilibrado, os europeus impuseram o seu estilo de jogo desde o início, diante da retranca montada pelo técnico Alejandro Sabella, e precisaram de 112 minutos para confirmar o favoritismo.
Depois de um duelo aguerrido e sem gols durante 90 minutos, a Alemanha buscou o gol salvador aos 7 minutos do segundo tempo da prorrogação. André Schürrle disparou pela esquerda e cruzou na área para Götze, que dominou no peito e bateu para as redes, para alegria de alemães e choro dos torcedores argentinos presentes no Maracanã.
Com o triunfo, a Alemanha desempatou os duelos contra a Argentina em finais de Copa, a decisão mais repetida da história. Em 1986, os sul-americanos levaram a melhor. Quatro anos depois, foi a vez do time europeu erguer a taça. Antes, a Alemanha já se sagrara campeã em 1954 e 1974.
Curiosamente, os alemães faturaram o tetra 24 anos depois da conquista do tricampeonato, assim como fizeram o Brasil e a Itália, outras duas seleções que têm quatro troféus - a seleção brasileira já soma cinco títulos. A Copa de 2014 repetiu, ainda, as últimas duas edições, ao ser decidida na prorrogação.
A Alemanha contou com ampla torcida brasileira, mesmo depois do vexame que impôs à seleção nacional na semifinal. Mas, mesmo com o favoritismo adquirido na goleada de 7 a 1, teve dificuldade contra o bom e compacto time argentino, que não teve o machucado Angel Di María. Para equilibrar, a Alemanha perdeu Khedira antes do apito inicial. Ele se machucou durante o aquecimento.
O primeiro tempo foi um duelo da retranca contra o toque de bola alemão. Mas, mesmo na defensiva, os argentinos criaram as melhores chances. No segundo tempo, os sul-americanos esboçaram uma pressão no início, mas logo sucumbiram ao cansaço, em razão da sequência de jogos duros e decididos na prorrogação e pênaltis. A Alemanha, contudo, não aproveitou a chance e precisou decidir a partida somente no tempo extra.
O título coroa a boa campanha alemã na Copa, que teve início com uma retumbante goleada de 4 a 0 sobre Portugal do melhor do mundo, o atacante Cristiano Ronaldo. Depois de atuações temerosas contra Gana e Argélia, o técnico, Joachim Löw, soube ajustar o time para ganhar ainda mais consistência, deixando para trás seleções tradicionais como França e Brasil. Na final, foi a vez de superar a bicampeã Argentina.
O tetracampeonato também premia todo o planejamento da Alemanha, que estabeleceu em 2002 um vitorioso plano para renovar o futebol nacional. Os resultados culminaram na revelação de jogadores que passaram a atuar juntos desde a Copa de 2006. Naquele ano e em 2010, a seleção terminou em terceiro lugar, após o vice-campeonato de 2002. A busca pelo quarto título, enfim, teve final feliz.

 

 

 

ARTILHEIRO
Numa Copa do Mundo que contabilizou 171 gols marcados, o artilheiro foi o jovem meia, colombiano, James Rodriguez. Mesmo tendo sido eliminado nas quartas de final, na derrota para o Brasil, ele terminou a competição com seis gols, isolado na ponta da artilharia.
Dois jogadores tinham a chance de roubar a artilharia de James Rodriguez na final deste domingo, quando a Alemanha ganhou da Argentina por 1 a 0, no Maracanã, e conquistou o título. Mas nem o alemão Müller, com cinco gols, e nem o argentino Messi, com quatro, marcaram.
Assim, James Rodriguez se consagra como o artilheiro da Copa do Mundo no Brasil. Com apenas 23 anos, o jovem meia, do Monaco, comandou a grande campanha da Seleção Colombiana e foi também um dos 10 indicados que concorreram ao prêmio de melhor jogador na competição.

 

 

 

MELHOR DA COPA
Messi teve papel decisivo na campanha da Seleção Argentina, principalmente na primeira fase. Terminou a competição com quatro gols marcados, mas teve uma atuação apagada na final deste domingo, quando não conseguiu evitar a conquista alemã. Assim, recebeu o prêmio individual sem esconder a tristeza.
Na eleição do melhor jogador da Copa, que teve 10 indicados, o alemão, Müller, terminou em segundo lugar e o holandês, Robben, ficou em terceiro. Os demais candidatos eram os alemães, Hummels, Kroos e Lahm, os argentinos, Di María e Mascherano, o brasileiro, Neymar e o colombiano, James Rodriguez.
Na disputa pelo prêmio de melhor goleiro, o escolhido foi o alemão, Manuel Neuer, que levou apenas quatro gols na competição e teve grandes atuações. Além de conquistar o título mundial, ele venceu a eleição pelo prêmio individual contra o costarriquenho, Navas, e o argentino, Romero.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.