segunda-feira, 25 de Abril de 2016 13:50h Site oficial America-MG

AMÉRICA EMPATA NO MINEIRÃO, ELIMINA O CRUZEIRO E SE CLASSIFICA PARA FINAL DO MINEIRO DEPOIS DE QUATRO ANOS

Time americano segurou a vantagem conquistada sobre o rival no jogo de ida das semifinais com o empate de 0 a 0

Após quatro anos de jejum, o América está de volta a grande final do Campeonato Mineiro. Demonstrando muita entrega e solidez defensiva, o Coelho empatou em 0 a 0 contra o Cruzeiro na tarde deste domingo (24/4), no Mineirão, e fez valer a vantagem conquistada no primeiro jogo das semifinais do Estadual, quando venceu o rival por 2 a 0, no Independência.

 

 

A atuação heroica no clássico deste domingo fez o time americano repetir a campanha de 2012, quando o América eliminou o Cruzeiro na semifinal. O ano de 2012 também foi último em que o Coelho esteve na decisão do Estadual. Agora, o América irá encarar outro rival, o Atlético, que superou a URT, também na semifinal do Estadual. A primeira partida da decisão será disputada no próximo domingo (1/5), às 16h, na Arena Independência.

Classificado para a grande final do Mineiro, o próximo desafio do time americano na temporada será pela Copa do Brasil. Após empatar o primeiro jogo em 1 a 1 contra o Red Bull, em Campinas, o América receberá a equipe paulista em casa, na quinta-feira (28/4), às 19h15, precisando apenas de uma vitória simples para avançar na competição nacional.

 

 

PRESSÃO

O América entrou em campo no clássico contra o Cruzeiro administrando a vantagem conquistada na vitória por 2 a 0 na Arena Independência. Enquanto o adversário partia para o ataque em busca de seu gol, o time americano conseguia frustrar as investidas ofensivas do rival celeste com uma sólida marcação na defesa.

Eventualmente, o Coelho aproveitava erros na saída de bola do Cruzeiro para chegar ao ataque. Exemplo disso foi a investida do meio campo Osman, que avançou em velocidade pelo lado esquerdo e cruzou para a chegada do meia Tony dentro da área. Porém, a finalização de Tony acabou indo para fora. Em outro momento, a equipe americana chegou ao ataque, aos 12 minutos, com o atacante Victor Rangel, que sofreu falta clara dentro da área, mas a arbitragem não marcou o pênalti favorável ao América.

 

À medida que o tempo passava, a pressão enfrentada pelo Coelho aumentava e o goleiro João Ricardo começou a sofreu forte pressão no jogo. O goleiro, ídolo do torcedor americano, salvou o América em pelo menos duas oportunidades, nas finalizações do atacante Alisson, aos 31 minutos, e do lateral esquerdo Fabrício, aos 38 minutos.

Suportando um grande volume ofensivo promovido pela equipe cruzeirense, o Coelho se postou muito bem na defesa e conseguiu segurar o ímpeto ofensivo adversário. Dessa forma, o Coelho foi para o intervalo com o empate em 0 a 0, resultado necessário para a classificação.

 

 

CLASSIFICADO

O time americano voltou para o 2º tempo com a mesma formação inicial proposta pelo técnico Givanildo Oliveira, porém, logo aos 4 minutos, o meio campo Rafael Bastos sentiu uma lesão e teve que deixar o campo. Em seu lugar, treinador americano colocou o volante Ernandes.

Com a mesma solidez defensiva da primeira etapa, o América seguiu administrando, mas começava a trocar mais passes no meio campo. Esse maior domínio da posse de bola, fez com que o América forçasse o time do Cruzeiro a apostar na bola aérea, que estava sendo neutralizada pela defesa do Coelho.

O empate sem gols persistia, e o desespero do rival celeste aumentava com o passar do tempo. A necessidade do adversário em criar ofensivamente fazia com que mais espaços surgissem para contra-ataques do América. O Coelho começava a chegar com perigo, como na jogada em que Victor Rangel avançou para dentro da área, driblou a marcação, mas acabou finalizando sem direção, aos 18 minutos.

 

 

A torcida americana sentia a vaga para decisão cada vez mais perto e crescia nas arquibancadas, cantando e apoiando o Coelho, que passava a sofrer cada vez menos com ataques adversários. A tranquilidade do time americano em campo contrastava com a insegurança do Cruzeiro, mas nos momentos finais da partida, a equipe rival voltou a atacar com muita intensidade.

O Coelho se segurava e por pouco não sofreu o primeiro gol na finalização de Fabrício, dentro da área, que explodiu na trave do gol defendido por João Ricardo, aos 36 minutos. Pouco depois, aos 38 minutos, o técnico Givanildo modificou sua equipe pela segunda vez ao colocar o lateral esquerdo Danilo no lugar de Osman.

O Cruzeiro bem que tentou, mas o América foi eficiente na marcação e segurou o empate sem gols até o fim da partida. Ao som de “Aha uhu, o Mineirão é nosso”, a torcida americana celebrou a classificação do Coelho para a final do Campeonato Mineiro. Agora o desafio será na final, contra o rival Atlético.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.