quarta-feira, 22 de Abril de 2015 09:52h Atualizado em 22 de Abril de 2015 às 09:57h.

Atlético e Caldense decidem o Campeonato Mineiro 2015

O Atlético confirmou nesta segunda-feira que o primeiro duelo da final do Campeonato Mineiro contra a Caldense, no próximo domingo, será no Mineirão

Todas as informações sobre venda de ingressos, como datas, horários e valores serão divulgadas posteriormente pelo clube.
A ideia da diretoria é dar a oportunidade de mais torcedores acompanharem o time na decisão do Estadual, além de, claro, obter um lucro maior na bilheteria. Como fez campanha inferior na fase de classificação, o Atlético estará em desvantagem. Invicta no Mineiro, a Caldense joga por dois resultados iguais para conquistar o título.
Se o Atlético já decidiu onde jogará, o palco do segundo duelo, marcado para o dia 3 de maio, ainda segue indefinido. O estádio Ronaldo Junqueira, em Poços de Caldas, comporta 7,6 mil torcedores, mas a diretoria da Caldense montou uma arquibancada provisória atrás de um dos gols, ampliando a capacidade para 10,4 mil pessoas, cumprindo o que exige o regulamento do Estadual para a decisão que é o mínimo de 10 mil. Agora, o clube alviverde aguarda o laudo do Corpo de Bombeiros para confirmar o jogo em casa. A decisão deve sair até esta quarta-feira.
A Caldense conquistou o título de ‘Campeã do Interior’ e está classificada para a grande final do Campeonato Mineiro Unicef. A ‘Veterana’ derrotou o Tombense, por 2 a 0 e segue firme por objetivos maiores, como o troféu do Estadual.

Levir Culpi
O técnico Levir Culpi avaliou que a força demonstrada pelo Atlético em partidas de caráter decisivo foi fundamental para o time assegurar a sua presença na decisão do Campeonato Mineiro. "É uma somatória de detalhes, é difícil de analisar. Uma coisa a gente tem certeza: esse tipo de jogo parece que combina com o Atlético. Já tivemos uma sequência de jogos dessa natureza e o time não desiste nunca, eles queriam vencer de qualquer maneira. A vitória era o único resultado que nos colocaria na final. Foi uma vitória expressiva", disse Levir.
O Atlético, antes da Caldense, terá um confronto importante. Nesta quarta-feira, a equipe vai encarar o Colo Colo, no Independência, e precisa de uma vitória por dois gols de diferença para avançar às oitavas de final da Copa Libertadores. Para Levir, a vitória sobre o Cruzeiro aumenta a confiança da equipe para o duelo decisivo. "Agora é recuperar os jogadores porque quarta vai ser outro inferno no Independência. Temos que ganhar por dois gols de diferença e acredito muito nessa situação. A vitória veio na hora certa e enche todo mundo de motivação”, comentou o treinador.
Levir também destacou o preparo físico do elenco do Atlético, lembrando que o time venceu o Cruzeiro, de virada, marcando os seus gols no segundo tempo, depois de enfrentar uma desgastante viagem de volta do México. Além disso, elogiou o apoio da torcida, que só teve acesso a 10% da carga dos ingressos, no Mineirão. "É hora de parabenizar a preparação física porque as pessoas enxergam somente o resultado. Fizemos uma viagem de 12 horas e ainda vem com uma derrota nas costas. É um peso muito grande na parte física. Aí, você enfrenta o Cruzeiro com 40 mil pessoas. E viemos com nossa tropa de 5 mil, que deu um equilíbrio nas arquibancadas. Como a gente vai falar que um time está mal fisicamente, correndo o que a gente correu hoje. Ganhamos a vaga para final, estamos respeitando o campeonato. Entramos com força máxima, o campeonato é muito importante para a gente", comentou.

Marcelo Oliveira
O técnico do Cruzeiro, Marcelo Oliveira, considera que sua equipe fez uma boa partida, mas o que não agradou o comandante celeste foi a arbitragem de Heber Roberto Lopes, que prejudicou a Raposa no fim da partida. "O jogo foi equilibrado. O Cruzeiro jogou bem. Criou situações, brigou pela bola o tempo inteiro, competiu muito. Esteve com a classificação durante oitenta e tantos minutos, mas acabou sofrendo o gol no fim", analisou.
Marcelo ressaltou que a equipe não ficou na defensiva, mesmo tendo a vantagem de jogar pelo empate. “Não foi uma postura acuada e nem absolutamente na frente. Tentamos fazer de intermediária a intermediária. Tanto que marcamos forte no início e fizemos gol, mesmo com a vantagem do empate, que não poderia ser protegida. Tínhamos a pretensão de fechar o time apenas no final, mas não foi possível. O Fabiano foi expulso inocentemente, pois ele poderia tirar a bola de cabeça”, disse.
A insatisfação de Marcelo foi com a arbitragem. O treinador considerou "lamentável" a atuação de Heber Roberto Lopes, que deixou de marcar uma falta em que o zagueiro alteticano Edcarlos acertou o pé na cabeça do centroavante celeste Leandro Damião. “A arbitragem desse rapaz [Heber Roberto Lopes] foi lamentável. O Damião levou um chute no rosto. Era para ser marcada a falta e o adversário seria expulso. O Atlético teria de recompor a zaga e poderia não fazer o gol”, reclamou, destacando que o lance "foi decisivo". "Inclusive o Luiz Flávio, árbitro reserva, disse que falaria com ele [Lopes]. Comentou que houve um chute no rosto, mas o árbitro nada marcou. O lance foi decisivo porque o gol do Atlético saiu imediatamente depois. E talvez lá na frente não tivessem tanta liberdade sem um jogador. Mais uma vez fomos prejudicados por esse árbitro", concluiu.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.