quarta-feira, 23 de Setembro de 2015 10:30h

Atlético no banco dos réus

Com uma semana de folga para se preparar para o próximo compromisso no Campeonato Brasileiro, o Atlético volta as atenções para as questões jurídicas

Isso porque o clube foi denunciado pela procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por causa dos objetos arremessados por torcedores no gramado do Independência na derrota por 1 a 0 para o Atlético-PR, no dia 2 de setembro, no Independência. O julgamento está marcado para esta quinta-feira, às 10h30, no Rio de Janeiro.
De acordo com a súmula do árbitro Marcelo de Lima Henrique, dois copos com líquido e um tênis foram jogados no campo. Por conta disso, o Atlético foi incurso no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que fala em “deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir lançamento de objetos no campo ou local da disputa do evento desportivo.”
Caso seja punido, o Atlético pode perder de um a dez mandos de campo, além de ter que pagar multa que varia entre R$ 100 a R$ 100 mil. Após os incidentes, o clube alvinegro proibiu a venda de bebidas alcoólicas dentro dos bares do Independência nos dias de jogos da equipe.
Mas, segundo o departamento jurídico do Atlético, os torcedores que atiraram os objetos no gramado foram identificados e levados para a delegacia do Independência. Assim, o clube espera ser absolvido.
Para não ser punido, o Atlético aposta no parágrafo 3º do artigo 213 do CBJD, que diz: “a comprovação da identificação e detenção dos autores da desordem, invasão ou lançamento de objetos, com apresentação à autoridade policial competente e registro de boletim de ocorrência contemporâneo ao evento, exime a entidade de responsabilidade, sendo também admissíveis outros meios de prova suficientes para demonstrar a inexistência de responsabilidade.”

Marcos Rocha
Além do Atlético, o lateral-direito Marcos Rocha também será julgado pela expulsão na mesma partida. Segundo a súmula do árbitro, o jogador reclamou da não marcação de uma falta, dando um soco no ar e dizendo “pô, foi falta, foi falta”. Pelo ato, o camisa 2 recebeu o segundo cartão amarelo e, em seguida, o vermelho.
Marcos Rocha foi incurso no artigo 258, II, do CBJD, por “desrespeitar os membros da equipe de arbitragem, ou reclamar desrespeitosamente contra suas decisões”. Se for punido, o lateral poderá pegar de uma a seis partidas de suspensão.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.