quarta-feira, 6 de Março de 2013 12:12h Ascom – Ministério do Esporte

Brasil garante seis medalhas no Pan-americano disputado no México

Contra os melhores do continente Brasil termina na 3a. colocação geral. Canadenses garantem o título pan-americano da Canoagem Slalom

Aconteceu neste fim de semana na cidade de Union de Tula, no México, o Campeonato Pan-americano de Canoagem Slalom 2013, evento que reuniu os principais canoístas da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Costa Rica, México, Estados Unidos, Venezuela e Itália que participou como convidada no evento.

O jovem equipe brasileira, exemplo da nova geração de canoístas que se forma no Brasil, terminou o evento com a conquista de seis medalhas (4 ouros, 1 prata e 1 bronze), com destaque pelos ouros conquistados por Ana Sátila no C1 Feminino, pela dupla formada por Charles Correa e Anderson Oliveira no C2 Masculino e no C1 Masculino e K1 Masculino por Equipes. A prata foi conquistada por Ana Sátila no K1 Feminino e o bronze por Ricardo Taques no K1 Masculino. O Brasil terminou a competição na terceira colocação geral, a Argentina na segunda colocação e o Canadá conquistou o título de campeão pan-americano.


Ricardo Taques teve grande desempenho no México e levou o bronze no K1 Masculino.

Ana Sátila enfrenta as canadenses
O jovem Ana Sátila, representante brasileira em Londres 2012, sobrou nas disputas do C1 Feminino e garantiu o título na finalíssima com o tempo de 115.26, seguida pelas canadenses Jessica Groeneveld (126.98) e Haley Daniels (128.25).

Jessica e Ana Sátila ainda voltariam a se enfrentar no K1 Feminino, prova que é especialidade das duas atletas, mas dessa vez a canadense levou a melhor e ficou com o ouro com o tempo de 100.05, com Ana Sátila em segundo (102.32) e a canadense Jazmyne Denhollander (103.06).

“Na prova Ana Sátila havia realizado a melhor descida com 98.32, mas as duas penalidades lhe tiraram o ouro, enquanto que a canadenses mesmo mais lenta fez uma descida limpa e garantiu o melhor tempo”, disse Ettore Ivaldi, técnico da equipe brasileira.

Na luta pelo ouro do K1 Masculino, prova mais disputada da competição, o argentino Thomas Bersinger fez uma ótima descida na final e garantiu o título com o tempo de 84.15. A prata ficou com o norte-americano Aaron Mann (86.04) e o bronze com o brasileiro Ricardo Taques (88.25). Chegaram muito perto Pedro Gonçalves Silva, o Pepe, em 4o. lugar com 88.33 e Anderson Oliveira em 7o. com 93.86.

“Tivemos bons resultados, mas acredito que nos faltou treinamento técnico aqui em águas bravas, pois nossos atletas são muito bem preparados fisicamente”, ressaltou Ivaldi.

Garotos do Brasil conquistam o ouro no C2M
Os jovens atletas do Brasil, Charles Correa e Anderson Oliveira, tiveram um grande resultado na México. Juntos conquistaram a medalha de ouro no C2 Masculino com o tempo de 107.09, demonstrando também a evolução da canoa masculino do Brasil. A prata ficou com o Canadá (Michal Staniszewski e Cameron Smedley – 108.26) e o bronze com a Argentina (Matias Cordero e Sebastian Rossi – 115.16).


Anderson Oliveira e Charles Correa levaram a bandeira brasileiro ao lugar mais alto no pódio do C2 Masculino.

Já no C1 Masculino o norte-americano Zachary Lokken garantiu o título da categoria (94.48), seguido pelo argentino Sebastian Rossi (95.89) e pelo canadense Cameron Smedley (95.96). O brasileiro Thiago Serra ficou em 4o. com 100.51 e Jean Moller em 5o. com 100.88.

Diferentemente da pista artificial Canal Itaipu, em Foz do Iguaçu, o Pan-americano deste ano foi em pista natural localizada em rio de montanha situado a 20 quilômetros de Union de Tula. A Equipe Permanente de Canoagem Slalom treina no Canal Itaipu, localizado das dependências da Itaipu Binacional e considerado uma das principais pistas artificiais da modalidade no continente. A delegação brasileira participou do Pan-americano no México com apoio do Comitê Olímpico Brasileiro, Itaipu Binacional e BNDES.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.