sábado, 10 de Outubro de 2015 07:18h Atualizado em 10 de Outubro de 2015 às 07:26h.

Brasil leva olé do Chile pela eliminatória da Copa do Mundo

O Brasil caiu feio na estreia nas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo de 2018, que será na Rússia. Nesta quinta-feira, perdeu por 2 a 0 para o Chile, no estádio Nacional

Em Santiago em uma partida em que fez um primeiro tempo razoável, mas foi engolido no segundo. A derrota pôs fim a 15 anos e 14 jogos de invencibilidade da seleção em cima dos chilenos e é a primeira do País em estreia nas Eliminatórias.
O técnico Dunga perdeu também a sua invencibilidade pessoal contra os chilenos, após sete vitórias seguidas. Na terça-feira, a seleção tentará a reabilitação contra a Venezuela na Arena Castelão, em Fortaleza, pela segunda rodada.
A seleção brasileira teve o mérito de refrear o entusiasmo do Chile no primeiro tempo, impedindo os donos da casa de exercer grande pressão, como normalmente faz quando atua diante de sua torcida. Os chilenos buscavam o ataque, óbvio. Mas sem grande ímpeto.
A principal opção do Chile era pelo lado direito, na tentativa de explorar as costas de Marcelo, com investidas de Alexis Sanchez e as subidas em alta velocidade de Isla. Nos primeiros 10 minutos, foram três tentativas. Mas logo a marcação se acertou e a fonte secou.
O Brasil não se limitava apenas a não deixar o Chile jogar. Com a bola, procurava ir à frente, atacar, inclusive com Marcelo e Daniel Alves do outro lado. Em alguns momentos, ambos chegaram a participar da armação do jogo.
O comportamento dos brasileiros incomodou os chilenos, que talvez não esperassem uma marcação em seu campo quando tinham a bola, nem um adversário muito disposto a pressioná-los. Mas Dunga havia dito na véspera que a seleção não iria ficar apenas se defendendo. Nervosos, os chilenos erravam muitos passes na saída de bola.
O Brasil estava bem e até criou algumas chances. Nada, porém, muito empolgante. E a seleção também cometia erros bobos de passe. E, em um deles, quase ao fim do primeiro tempo, o Chile acertou a trave de Jefferson com Mark González, que acabara de entrar no lugar de Díaz. O lance animou o time da casa e o jogo, que estava morno. O primeiro tempo terminou com as duas seleções mais abertas, atacando.
No segundo tempo, o que já se previra nos minutos finais do primeiro, ficou claro: com González, o Chile ficou mais exposto. O Brasil continuou concentrado na marcação e, quando tomava a bola, contava com muito espaço para contra-atacar.
Marcelo conseguiu armar duas jogadas ofensivas seguidas. Oscar também teve boa participação nos lances. Mas o meia pecou por tentar o passe em vez de finalizar. Aliás, o vacilo no momento de concluir foi um defeito da seleção. O Chile se expunha, mas em compensação também atacava bastante. Colocou outra bola na trave de Jefferson, em um chute de Isla, e criou boas chances.
Os donos da casa acabaram chegando ao gol após falta cometida por Luiz Gustavo. Mathias Fernandez se antecipou à zaga e desviou. Jefferson ainda tocou na bola, mas não conseguiu evitar o gol.
Ao se ver em desvantagem, Dunga trocou Hulk por Ricardo Oliveira. A seleção foi para cima do Chile, mas aí encontrou um adversário que já se preocupava em se fechar. Lucas Lima no lugar de Luiz Gustavo foi outra tentativa de chegar ao empate. Não deu certo. A seleção atacava desordenada e deixava espaços.
A consequência é que acabou sofrendo o segundo gol, marcado por Alexis Sanchez, e ainda levou olé no final. As Eliminatórias serão duras.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.