terça-feira, 14 de Julho de 2015 11:15h Atualizado em 14 de Julho de 2015 às 11:22h.

Brasil segue dentro do esperado nos Jogos Pan-Americanos de Toronto

O brasileiro Marcel Stürmer, da patinação artística, fez história neste domingo, nos Jogos Pan-americanos Toronto 2015

Ele conquistou, pela quarta vez seguida, a medalha de ouro da competição e se tornou o primeiro atleta masculino do Brasil a atingir esta marca – Lucélia Ribeiro, do caratê, já havia realizado este feito.
Além de Toronto, Marcel conquistou o ouro em Guadalajara 2011, Rio 2007 e Santo Domingo 2003. "Indescritível a sensação, ser o primeiro brasileiro a conquistar quatro ouros seguidos. A lição que fica é de que tudo aquilo estiver ao seu alcance, seja pouco ou muito, você pode conquistar", disse Marcel, emocionado.
O patinador foi o quinto a se apresentar e, nos primeiros movimentos, já conquistou a plateia. Ao som de músicas dos Beatles, o brasileiro deu um show, alcançou a nota de 134.20 e venceu a rotina longa. Como, no dia anterior, já tivera a melhor performance na rotina curta, somou 536.00 pontos e conquistou a medalha de ouro. A prata coube a John Burchfield, dos Estados Unidos, e o bronze ao colombiano Diego Duque.
Para completar o dia de conquistas da patinação artística brasileira, na prova feminina a brasileira Talitha Taas ainda conquistou a medalha de prata. "Feliz demais por esta medalha, ela representa todo o sacrifício, esforço e dedicação para estar aqui", comentou a patinadora, não sem antes prestar sua reverência ao medalhista de ouro Marcel Stürmer. "É uma inspiração, sem dúvida. É impressionante a constância dele, ele praticamente não erra."
A medalha de bronze conquistada pela equipe feminina de ginástica artística foi o resultado da soma da consistência e experiência de Daniele Hypólito, de 30 anos; da leveza de Flávia Saraiva, 15 anos; e da vontade de crescer no esporte de Lorrane Santos, 17, Letícia Costa, 20, e Julie Kim, 17. Em seu quinto Pan, Daniele Hypólito usou toda a sua tranquilidade para ser a primeira brasileira a se apresentar em cada um dos aparelhos na competição por equipes da ginástica artística feminina, no Toronto Coliseum. A equipe brasileira somou 165.400 pontos, ficando atrás de Canadá, com 166.500, e do campeão Estados Unidos, com 173.800.
O Brasil só não classificou nenhuma atleta para a final de barras assimétricas. No individual geral, além de Daniele, participará Flávia Saraiva, que encantou o público, principalmente no solo e na trave, aparelhos em que se classificou como finalista. Na trave, Flávia ficou com a melhor nota do dia, 14.550 pontos, despontando como favorita à medalha de ouro. Além delas, Julie Kim fará a final da trave.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.