quinta-feira, 9 de Agosto de 2012 11:13h Gazeta do Oeste

Bronze, Adriana descarta 2016, MMA e vai migrar para o boxe profissional

Medalhista de bronze na primeira participação boxe feminino em Olimpíadas, Adriana Araújo não competirá no Rio, em 2016. Aos 30 anos, a baiana teria ainda a idade máxima de 34 exigida no boxe olímpico. O plano após Londres, porém, é migrar para o profissional, apesar de seu treinador, Luiz Dórea, querer levá-la ao MMA.

 

 

- Para 2016, não me penso como atleta lá. Vou para o boxe profissional. Meu treinador pensa muito sobre MMA, mas eu não. Amo boxe. E quero pensar mais na minha vida pessoal. Já fiz muay thai e jiu-jítsu, mas tive de parar para dar continuidade ao boxe e chegar às Olimpíadas - conta Adriana.

 

As pugilistas ficaram 108 anos fora das Olimpíadas. Em Londres, o Complexo Excel teve casa cheia todos os dias, principalmente por conta da presença da irlandesa Katie Taylor. No feminino, são apenas três categorias (51kg, 60kg e 75kg), contra dez masculinas.

 

 

- Tenho certeza de que vão querer mais eventos no boxe feminino. Na maioria dos campeonatos, as pessoas vão mais para ver o boxe feminino em cima do ringue.


Após conquistar a medalha de bronze, Adriana disparou contra a Confederação Brasileira de Boxe (CBBoxe). E espera que seu resultado em Londres faça o esporte crescer no Brasil.

 

- As meninas brasileiras já admiravam o boxe feminino. Muitas gostam do meu estilo, do meu currículo. Tenho certeza de que muitas vão virar amantes do esporte. O que precisa é a confederação procurar talentos e investir, em vez de ficar criticando os atletas - disse Adriana, derrotada nas semifinais pela russa vice mundial Sofya Ochigava.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.