Cacá nega versão do Cruzeiro sobre pagamento de atrasados

Zagueiro afirma que clube ainda o deve

03 ABR 2021

CARLOS HENRIQUE MONTEIRO

O zagueiro Cacá do Cruzeiro, já reiterou que o clube celeste não pagou o acordo que tinha com ele

Em nota, ele continua afirmando que o clube mineiro deve para ele mais de R$ 251.000 e disse que o valor divulgado pela diretoria celeste de R$ 205.000 são valores que são anteriores ao outubro e novembro ,o documento foi assinado no dia 17 de Fevereiro de 2021

Leia a íntegra da nota publicada por Cacá

 

Olá, nação celeste. Sem muitas delongas, venho aqui para dizer em resposta ao amadorismo do Cruzeiro na pessoa do presidente do clube, Sérgio Santos Rodrigues, em postar valores da minha negociação. Mas, em respeito ao torcedor, vou publicar o acordo e o prazo de pagamento para vocês terem ciência se estamos caminhando para um mês de atraso do pagamento do que foi acordado ou se realmente o prazo vence hoje como postado pelo Cruzeiro.

 

Só pra vocês terem ciência, já que devido ao amadorismo, eles postaram valores me expondo, o valor de R$205.000,00 postado por eles com pagamento no dia 17/02/2021 foi referente a salários de outubro e novembro de 2020, quando eu disse que já tinha 4 meses que não recebia. Eles mesmos postaram as provas trazendo para a luz quem é o errado da história, sendo que em momento algum eu disse que não havia recebido nada.

 

Ressalto que disse que não havia recebido o acordado como prova em contrato, e aproveitando a oportunidade, para que todos saibam, já que eles resolveram se defender de uma forma amadora, mesmo estando errados, eu tinha direito a 10% do percentual econômico, que daria 200 mil dólares, em torno de 1,1 milhão de reais na cotação atual do dólar. Abri mão de 715 mil reais, referentes a 6,5% dos percentuais econômicos, para que o clube pudesse concretizar o negócio, pensando em ajudar a instituição.

 

Quando postei ontem sobre o que me devem, o fiz somente porque gostaria de  ir embora para o Japão com todas as coisas resolvidas. Mas como estou embarcando neste exato momento para o Japão, infelizmente essa situação não foi resolvida. Saliento que o único caminho para uma solução, vocês já sabem, né?

 

Fica a minha indignação. Com vocês, as conclusões.

Cacá publicou trecho de documento assinado por Sérgio Rodrigues (Foto: Reprodução/Instagram)

 

Acima tem os prints do meu contrato assinado e o prazo de pagamento dos meus direitos trabalhistas. Uma cronologia de tudo que foi combinado e o que não foi cumprido. Sinto em expor o clube que amo e defendi por tantos anos, do qual me recusei a sair de graça em gratidão a todos que me ajudaram e aos funcionários que merecem com a minha venda receber (salários). Mas além de não receber os meus direitos e de ficar sem resposta, ser taxado de mentiroso é o fim da picada.  

 

NOTA DE ESCLARECIMENTO (STAFF DE CACÁ)

 

No dia 23/02/2021, Cacá e Cruzeiro firmaram Instrumento de Resilição Contratual de Contrato de Trabalho através do qual o Cruzeiro confessou dever ao atleta a quantia de R$251.443,04, comprometendo-se a efetuar o pagamento no prazo legal, ou seja, no prazo de 10 dias.

 

Por sua vez, no dia 25/02/2021, Cacá e Cruzeiro firmaram Instrumento Particular de aquisição de percentual de Direitos Econômicos, tendo o Cruzeiro se comprometido a efetuar o pagamento da quantia de R$385.630,00.

 

Não obstante ter sido notificado por duas vezes, sendo uma delas no dia 23/03/2021 e a outra nesta semana, o Cruzeiro efetuou o pagamento apenas e tão somente da quantia de R$385.630,00, referente aos Direitos Econômicos, permanecendo inadimplente quanto ao valor de R$251.443,04, referente à rescisão de seu Contrato de Trabalho.

 

A quantia a que se refere o Cruzeiro, no total de R$205.993,00 refere-se a salários atrasados anteriores aos referidos instrumentos e com eles não se confundem.

 

Sendo assim e esclarecidos os fatos, o atleta aguarda o pagamento da quantia devida.

© 2009-2021. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.