quarta-feira, 25 de Maio de 2011 11:02h Luciano Eurides

Caldeirão Azul

A expectativa dos jogadores do Cruzeiro é de ver a Arena do Jacaré lotada no próximo domingo, às 16h, na partida contra o Palmeiras, pela 2ª rodada do Campeonato Brasileiro. Será o primeiro jogo da Raposa perto da sua torcida.


Para o atacante Thiago Ribeiro, a China Azul tem que repetir, no domingo, o mesmo show que deu na decisão do Campeonato Mineiro, quando o Cruzeiro bateu o Atlético-MG por 2 a 0 e conquistou o título do Estadual. Desta forma, o jogador acredita que o time estrelado será imbatível dentro de casa. “A torcida tem que comparecer em peso, assim como foi na final contra o Atlético-MG. A gente acabou de conquistar um título em cima do maior rival, então, é pedir o apoio dos torcedores, pois, quem quer ser campeão, tem obrigação de vencer os jogos em casa. Se a torcida lotar o estádio, temos grandes chances de vencer todos os nossos jogos em casa, pois o nosso aproveitamento lá é muito bom. Queremos contar com o apoio de todos e, dentro de campo, vamos procurar corresponder e vencer”.


Ribeiro acredita que a resposta cruzeirense dentro de campo virá naturalmente na 2ª rodada, já que o Cruzeiro não foi feliz na partida de estreia e terá que entrar em campo para fazer o dever de casa e se recuperar no Brasileirão. “Temos que recuperar. É natural que temos que buscar um placar positivo no próximo jogo. Ainda mais que será a nossa estreia em casa. Precisamos mais do que nunca de uma vitória e, na sequência, recuperar fora de casa esses pontos que perdemos em Florianópolis. Quem quer ser campeão tem que vencer em casa, é obrigação, mas tem que vencer fora também”.


Na opinião de Thiago, o Cruzeiro não foi mal no jogo de estreia, em Florianópolis-SC, já que buscou o gol a todo instante, criou chances. “Eu não acho que o time jogou tão mal. Criamos muitas chances. É lógico que não jogamos bem também, não repetimos as boas atuações de outros jogos. Mas fizemos um jogo razoável. Justiça seja feita, se tivesse que ter um vencedor, seria o Cruzeiro, pois criou mais. Até o gol do Figueirense foi uma infelicidade, um lance estranho. Isso provou que o Cruzeiro foi merecedor de um resultado melhor. Mas, infelizmente, no futebol não tem justiça”.


Por fim, o atacante atribuiu a derrota à falta de sorte da equipe, já que o Cruzeiro poderia ter aberto o placar no primeiro tempo, inclusive, em um lance em que Thiago Ribeiro invadiu a área e finalizou à queima-roupa, mandando a bola no rosto do goleiro adversário. Além disso, o atacante lembrou que o gol sofrido também foi uma fatalidade, já que o goleiro Fábio socou a bola, que bateu em Marquinhos Paraná e entrou. “Foi um dia em que as coisas não deram muito certo para nós. O goleiro contou com a sorte de a bola acertar no rosto dele, o gol do Figueirense foi um lance totalmente inusitado. Mas o futebol é assim. E foi apenas o primeiro jogo. Claro que a gente não queria perder, mas aconteceu e não adianta lamentar. Temos que procurar vencer o Palmeiras em casa para recuperar”, destacou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.