terça-feira, 14 de Abril de 2015 10:46h

Caldense e Cruzeiro mantêm a vantagem no Campeonato Mineiro

Tombos foi palco do primeiro jogo das semifinais entre Tombense e Caldense, e os visitantes conseguiram arrancar um empate sem gols

A Caldense, dona da melhor defesa do Mineiro, chegou ao 6º jogo sem sofrer gols e precisa de apenas um empate na partida de volta para chegar à decisão do Estadual.
Atlético e Cruzeiro repetiram o resultado do clássico da primeira fase do mineiro. Na Arena Independência, o maior confronto de Minas Gerais terminou empatado, em 1 a 1. Este foi o primeiro jogo entre os rivais válido pela semifinal do Estadual. No próximo confronto, o Cruzeiro precisa apenas de um empate, no Mineirão, para chegar à decisão.
O Atlético entrará em campo no próximo fim de semana precisando vencer o Cruzeiro no Mineirão para avançar à final do Campeonato Mineiro, mas mesmo assim mantém a confiança de que vai eliminar o rival. O técnico Levir Culpi, inclusive, lembrou o retrospecto recente do time no estádio diante do Cruzeiro, que inclui a conquista do título da Copa do Brasil no Mineirão no fim do ano passado, para garantir que está tranquilo para o duelo de volta.
"De modo geral, a equipe teve boa atuação. O empate com um a menos foi tranquilo e decidir no Mineirão, para o Atlético, é como decidir no Independência. Nossos números no Mineirão são fantásticos. Isso é motivo de tranquilidade porque a gente sabe que vai jogar bem lá”, afirmou Levir.
Em um clássico bastante truncado, Atlético e Cruzeiro empataram por 1 a 1 nesse domingo, no Independência. Levir destacou que a partida teve poucas oportunidades de gol, mas aprovou a atuação do seu time, inclusive após a expulsão de Leonardo Silva.
Para ele, o resultado deixou o Atlético fortalecido. "Eu achei que o time jogou legal. Foi um jogo assim muito parecido com o jogo do Santa Fe, altamente físico. Fizemos 1 a 0 muito legal, podíamos ter contido, mas marcamos mal e teve o empate. Foi um jogo muito truncado, com poucas chances e com ingredientes de um clássico, mas saímos fortalecidos da maneira como foi”, comentou.
Antes do duelo de volta com o Cruzeiro, o Atlético terá um compromisso pela Copa Libertadores. Na próxima quarta-feira o time vai enfrentar o Atlas, no México, pela quinta rodada do Grupo 1.

 

CRUZEIRO
Mesmo atuando no Independência, o Cruzeiro teve a chance de vencer o Atlético no clássico desse domingo, quando ficou com um homem a mais, após a expulsão de Leonardo Silva, mas não soube se impor em campo. A postura desagradou o técnico Marcelo Oliveira, que pareceu gostar muito mais da forma como o rival se portou. “Em relação ao jogo, é muito difícil jogar aqui mesmo, todos que vêm aqui sabem disso. O rival é um time ótimo e bem ajustado, empurrado pela torcida. Briga muito pela bola, compete muito. Mas acho que o jogo foi controlado, alternando algumas situações de um lado para o outro. Não tivemos situações tão claras no primeiro tempo, tirando o gol do Atlético, que era um ataque nosso. Tínhamos a chance até de fazer gol, e eles imprimiram uma velocidade com o Guilherme”, comentou.
Se no primeiro tempo o Cruzeiro viu o rival abrir o placar com Carlos, no início da etapa final, Arrascaeta empatou em belo gol. Pouco depois, Leonardo Silva deu uma solada em Leandro Damião e foi expulso, mas o time celeste não soube se aproveitar da vantagem numérica. "O Cruzeiro voltou para o segundo tempo ajustado de algumas situações de jogo e buscando o resultado. Conseguimos o gol, após acertar a marcação no meio campo. Achei que depois do empate era necessária uma imposição física maior, por eles terem jogado na quinta-feira e nós na quarta-feira, e isso não aconteceu. Então, nesses 20 minutos finais, nós perdemos a oportunidade de ganhar o jogo por estes fatores”, lamentou.

 

POLÊMICA
A arbitragem do paulista Raphael Claus no clássico deste domingo diante do Cruzeiro deixou o presidente do Atlético furioso. Daniel Nepomuceno soltou o verbo contra a atuação do juiz na primeira partida da semifinal do Campeonato Mineiro, que terminou em 1 a 1, no Independência. “Não dá mais. Eu estou p... mesmo porque, no futebol, querem responsabilizar o time por tudo. O time é punido por qualquer coisa. E quando você tem uma atuação bisonha como essa, a gente tem que ficar calado e simplesmente vendo a CBF e a federação sem fazer p... nenhuma”, detonou em entrevista à Itatiaia.
Diante do problema com a arbitragem, o mandatário alvinegro comprou uma nova briga com o arquirrival e avisou que vai querer o segundo clássico, no Mineirão, para domingo (19). O Cruzeiro, por sua vez, quer o jogo no sábado (18) porque jogará na terça-feira (21) contra o Universitario Sucre-BOL, pela Copa Libertadores. “Há um pedido agora de imediato, o Atlético quer jogar domingo e vai jogar domingo como já estava previsto lá atrás. Se é para começar a encher o saco, vamos fazer. Vamos encher de ofício, reclamar, boicotar, porque não dá”, disse.
O gerente de futebol do Cruzeiro, Valdir Barbosa, não quis entrar em polêmica quanto às declarações do presidente do Atlético. O diretor celeste explicou que o clube não se opõe à partida no domingo, mas desde que a Conmebol transfira o jogo contra o Universitario Sucre-BOL, pela Libertadores, de terça (21) para quarta-feira (22), no Mineirão. “O Cruzeiro não quer a partida no sábado, queremos que haja dois dias de intervalo do nosso jogo da Copa Libertadores. Se o jogo da Libertadores for transferido para quarta-feira, aí a Conmebol terá que transferir também o outro jogo. Não tem problema nenhum, jogaremos no domingo. Agora, se o jogo for terça-feira, o confronto contra o Atlético, no Mineirão, vai ser no sábado”, garantiu.
Segundo Valdir Barbosa, dois dirigentes da Federação Mineira de Futebol (FMF) garantiram a ele que o clássico será no sábado caso a partida contra os bolivianos não seja transferida, minimizando o pedido do mandatário atleticano.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.