quinta-feira, 4 de Outubro de 2012 09:55h Gazeta do Oeste

Ceará diz que sacrifício agravou lesão e revela que ainda convive com dores

Contratado para ser a solução do Cruzeiro na lateral direita, Ceará tem encontrado dificuldades para cumprir essa missão. Uma lesão no tornozelo direito tem o deixado mais presente no departamento médico do que em campo. O jogador diz que atuar sem se recuperar totalmente da contusão o prejudicou ainda mais.

“Tive problema no tornozelo, por tentativas frustradas de retornar antes do tempo, acabou se agravando a lesão. Esse foi problema de não conseguir terminar últimas duas partidas que participei. E também junta problema físico. Sobretudo contra o Internacional, as duas coisas pesaram bastante, o incômodo e a parte física”, disse.

Ceará participou de apenas dois dos últimos nove jogos do Cruzeiro pelo Brasileirão. Ainda assim, nas partidas contra Vasco e Internacional, ele foi substituído.

Apesar do esforço para se livrar da lesão no tornozelo direito, o lateral afirma que ainda conviverá com dores. “Gostaria que elas tivessem acabado, sumido. Como aquele remédio, toma ‘doril’ e a dor some. Infelizmente, não tomei esse remédio. A dor persiste. Ela vai permanecer por algum tempo”, afirmou.

Para o jogo contra o Grêmio, neste sábado, às 18h30, em Porto Alegre, Ceará crê que estará melhor preparado. “Não é legal jogar com incômodo que te impede de desenvolver o que sabe. O probleminha maior em Varginha foi o piso duro. A repetição de impacto fez a articulação doer. No Olímpico, com gramado bacana, creio que será possível suportar os 90 minutos”, destacou.

“Estou melhor, o tornozelo está suportando bem o impacto, a intensidade no treino é menor que no jogo, mas deu para eu me movimentar bem. Estou muito otimista para suportar todo o jogo de sábado”, acrescentou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.