sexta-feira, 18 de Maio de 2012 09:46h Luciano Eurides

Celso Roth quer por fim a fama de sargentão

O novo treinador do Cruzeiro foi apresentado na tarde de ontem, a diretoria diz que é para por ordem na casa, já Celso Roth tratou logo de quebrar paradigmas.

O técnico do Cruzeiro , comentou sobre a fama de linha dura adquirida no mundo de futebol e fez uma avaliação sobre as condições de trabalho no time estrelado. “Já vistes alguma coisa funcionar sem comando e sem disciplina? É simplesmente isso. Não tem nada a ver com sargento ou comandante, qualquer empreendimento na vida, inclusive na nossa vida, se nós não formos disciplinados, organizados, e não estarmos predestinados, a gente não alcança nada. Se isso equivale ao adjetivo de ser esse ou aquele, eu não concordo com isso. É uma filosofia de vida. Pelo que estou vendo aqui no Cruzeiro, a gente vai seguir esse caminho juntos”, disse.

Ao comentar sobre a qualidade dos jogadores do elenco azul, Roth fez questão de exaltar que as peças encontradas serão úteis para o início do trabalho, mas que o Cruzeiro precisa de reforços para qualificar o grupo. “O Cruzeiro tem grupo interessante, muito bom,que precisa de modificações e reforços. Já conversamos a esse respeito, mas temos qualidade para começar o trabalho”, afirmou Roth, que também refutou a fama de ser retranqueiro.
No atual elenco do Cruzeiro, cinco jogadores foram comandados por Celso Roth, todos quando jogaram no Grêmio. O zagueiro Léo, os volantes Amaral e Rudnei, além dos meias Roger e Souza. “Trabalhei com ele no Grêmio por seis meses, fui muito bem, tive um relacionamento muito legal e é um treinador que cobra muito, que exige demais de seus atletas, que é leal e pede apenas o que o seu atleta consegue dar. Então, acho que ele vem num momento de dificuldade, mas é experiente e já lidou com isso e é capaz de conseguir fazer com que a calmaria volte”, disse o meia Roger, ao Site Oficial do Cruzeiro.

O meia Souza, que ao lado de Celso Roth, foi vice-campeão brasileiro pelo time gaúcho em 2008, também destaca o estilo do treinador, que cobra muito de seus atletas e, por isso, sempre consegue que suas equipes rendam em alto nível. “É um cara que tem como sua principal característica a cobrança forte. Temos que correr, nos doar ao máximo. Ele cobra o limite. Tive a oportunidade de trabalhar com ele em 2008 e 2009, fomos vice-campeões brasileiros. É um cara que vai somar bastante, tirar o máximo de força e qualidade dos jogadores”, salientou. “É um cara que, com certeza, vai dar uma organizada legal. O atleta com ele tem que estar sempre no limite. Ele é parceiro quando tem de ser, mas cobra bastante. Nosso time está precisando de um cara com esse perfil, porque time grande vive de vitórias”, acrescentou.

O novo treinador celeste é bastante conhecido até mesmo pelos atletas que não foram comandados por ele. Caso do zagueiro Alex Silva, que já o enfrentou várias vezes, especialmente em 2008. Naquele ano, o time que o defensor jogava, o São Paulo, brigou até a última rodada pelo título nacional com o Grêmio, cujo técnico era Celso Roth. A equipe paulista se sagrou campeã, enquanto o Cruzeiro ficou em terceiro lugar.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.