sexta-feira, 22 de Julho de 2011 16:59h Atualizado em 23 de Julho de 2011 às 08:59h. Luciano Eurides

Cielo é apenas advertido no caso de doping

A Corte Arbitral de Esportes - instância máxima de decisões esportivas - reiterou a pena de advertência do Painel da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) no caso do antidoping positivo para Furosemida do nadador César Cielo. O velocista disputa o Mundial de Xangai (CHI), a partir de hoje - vai defender os seus títulos nos 50 m e 100 m livre e também nadará os 50 m borboleta, além de integrar os revezamentos do Brasil.
A decisão da CAS também liberou para competições os nadadores Nicholas dos Santos, companheiro de César Cielo no Programa Rumo ao Ouro em 2016 (P.R.O. 16) e no Flamengo, e Henrique Barbosa. Vinícius Waked deverá cumprir suspensão de um ano. "A verdade prevaleceu e estou virando esta página da minha vida", disse César Cielo. Ele, que já havia provado no Painel da CBDA, presidido pelo médico Eduardo De Rose, que a presença da substância furosemida no exame antidoping feito durante o Troféu Maria Lenk, em maio, foi acidental, voltou a comprovar o fato diante dos árbitros da CAS, no último dia 20, em audiência realizada na Universidade de Shesnan, em Xangai.


O comunicado informa que a decisão de advertência tomada pelo Painel da CBDA, divulgada em 1º de julho, foi contestada pela Fina, que propôs uma suspensão de três meses, em 7 de julho. Observa que, com a concordância de todas as partes, a CAS realizou um Painel em regime de urgência e decidiu manter a decisão de advertência para César Cielo, Nicholas dos Santos e Henrique Barbosa e a suspensão, proposta pela Fina, de um ano, para Vinícius Waked. O Painel da CAS foi presidido pelo australiano Alan Sullivan, e formado pelo suíço Olivier Carrad e pelo americano Jeffrey Benz. "O Painel decide rejeitar o apelo da Fina contra Cesar Cielo, Henrique Barbosa e Nicholas dos Santos e confirma a decisão da CBDA referente a eles."
O comunicado ainda explica que a suspensão de um ano imposta a Waked deve-se ao fato de ser o seu segundo caso de resultado positivo. O comunicado ainda informa que, em sua defesa, os atletas apresentaram provas de que a substância Furosemida encontrada no exame antidoping foi fruto de contaminação do suplemento de cafeína usado regularmente sob prescrição. "O Painel da CAS concordou que os atletas foram muito cuidadosos no que fizeram e que o que houve foi apenas um erro", disse o advogado Haward Jacobs, que defendeu os atletas na CAS. "A explicação do que aconteceu foi aceita porque era verdadeira", prosseguiu Jacobs.
 

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.