sábado, 27 de Agosto de 2011 10:57h Atualizado em 29 de Agosto de 2011 às 10:32h. Luciano Eurides

Clássico para dar ritmo novo ao vencedor

Cuca até agora, em cinco jogos sob o comando do time alvinegro, não conseguiu nenhuma vitória. Foram cinco derrotas.

O clássico entre Cruzeiro e Atlético deverá dar um novo ritmo ao vencedor dentro do Brasileirão. O time azul prepara uma surpresa para o rival. O alvinegro joga com todas as forças para sair do rebaixamento.


O técnico Joel Santana explicou o motivo de ter realizados alguns treinamentos com portões fechados durante a semana na Toca da Raposa II. O treinador disse que a intenção não era esconder nada dos jornalistas que cobrem diariamente o Cruzeiro, mas sim treinar algumas jogadas e situações que podem decidira partida de domingo, contra o Atlético-MG, às 18h, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro. “Se vai ter surpresa ou não eu não sei. Só sei que nós estamos prontos. Os treinamentos que foram feitos (fechados) é porque hoje, em cinco minutos, o Brasil todo sabe o que está acontecendo. Às vezes você tem uma jogada, como vi recentemente o Flamengo surpreender o Internacional, com uma jogada de bola parada. Coisa que é difícil acontecer porque com as filmagens e com aquilo tudo que vocês colocam, o treinador de lá fica preparado.”, disse Joel, que explicou que no futebol a busca por informações dos adversários é constante. “Quando não é o treinador são os auxiliares que estão caçando algum tipo de notícia, que eles devem estar caçando lá, algum tipo de notícia que vem de cá. É por isso que alguns tipos de trabalho a gente procura fazer entre nós, para ver se pelo menos na hora do jogo o treinador já não sabe tudo o que está acontecendo. É só por causa disso, não é nada para esconder de vocês, coisa de jogo”.


Questionado sobre o treinamento de jogadas aéreas que foi realizado com a presença da imprensa na manhã desta sexta-feira na Toca da Raposa II, Joel Santana disse que aproveitou a semana livre para treinamentos para fazer alguns trabalhos específicos. “Trabalhei porque era um tipo de fundamento que a gente não vinha trabalhando. Por isso que quando o jogo tem um intervalo de uma semana, temos tempo de, se não podemos trabalhar tudo, poelo menos fazemos de 60% a 70% e sabe como sua equipe vai para o jogo. Era um trabalho que a gente não vinha fazendo e tivemos condições de fazer hoje pela manhã. Ficamos até quase meio-dia trabalhando, visando o que é melhor para a equipe”, disse.

 

 

MEDIDA NECESSÁRIA


Para aumentar a pressão sobre os atletas, na semana do clássico o presidente do Atlético, Alexandre Kalil, anunciou que seis jogadores, além do lateral-direito Patric - afastado na última semana - não fazem parte dos planos do técnico Cuca. Wendel, Giovanni Augusto, Toró, Guilherme Santos, Leleu e Roger.


O presidente explicou que esses foram cortes necessários e pedidos da nova comissão técnica do clube mineiro. Alexandre Kalil acredita que o elenco alvinegro estava muito inchado e, por isso, Cuca decidiu reduzir. “Houve uma redução necessária no grupo. É contratação, sobe jogador da base e fica um monte de jogador, mas já foi resolvido. Vamos ter uma redução de seis ou sete jogadores, a pedido da comissão técnica”, disse Kalil.
Wendel, Giovanni, Toró e Guilherme estão afastados. Os dois primeiros são revelações das categorias de base do Atlético. Os dois últimos, contratados para a temporada, não corresponderam à expectativa do clube. Leleu e Roger voltarão a treinar nas divisões inferiores do clube.

 

HORA CUCA


Para vencer o clássico deste domingo, contra o Cruzeiro, os jogadores do Atlético apostam em um trunfo que está dentro do clube: o técnico Cuca. Há pouco mais de dois meses, o treinador comandava a equipe celeste. Agora, do lado alvinegro, enfrentará seu ex-clube pela primeira vez. Para o meia Daniel Carvalho, o Galo tem que tirar proveito dessa 'arma' para sair de campo com os três pontos.  “Hoje, no Cruzeiro, depois do Joel, quem conhece melhor é o Cuca. Acredito que ele vai nos orientar, passar os pontos fortes e fracos da equipe. Vamos tentar tirar proveito disso para neutralizar o ponto forte do Cruzeiro.”


O atacante André, apesar de reconhecer que Cuca pode ajudar o Galo para o clássico, destacou que o foco da equipe, em um primeiro momento, tem que ser em acertar o time para o jogo. Depois sim, pode pensar no arquirrival.  “Ele conhece, senão todos os jogadores, quase todos. Ele vai conversar, passar o ponto forte de cada um. Vai ajudar muito. Mas temos que pensar em acertar tudo no nosso time e ganhar o jogo. Ele sempre conversa com a gente e também conhecemos o grupo do Cruzeiro. Mas temos que acertar nosso time primeiro e ganhar o jogo.”


Cuca ficou no Cruzeiro por um ano e deixou a equipe celeste em 19 de junho. No dia 8 de agosto, acertou com o Atlético. 

 

Últimas notícias: após o fechamento da edição foi noticiada a venda do jogador Dudu do Cruzeiro para do Dínamo da Rússia, ele portanto não enfrenta o Atlético no clássico de domingo.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.