terça-feira, 24 de Maio de 2011 11:26h Atualizado em 25 de Maio de 2011 às 11:19h. Luciano Eurides

Começou o maior campeonato de futebol do mundo

A estreia positiva no Campeonato Brasileiro foi bastante comemorada pelos jogadores do Atlético. Foram 24 gols em 10 jogos, média de 2,4 gols por jogo. A média de público foi de 9.826 por partida. O Olímpico recebeu o maior público, 19 mil pagantes para Grêmio e Corinthians. E a Arena do Jacaré o pior, exatos 1.253 torcedores para América e Bahia, claro, o jogo responsável pelos menos de 10 mil torcedores em média.


O Flamengo já nasce líder. A boa vitória diante do Avaí na estreia do Brasileiro não surpreendeu a comissão técnica rubro-negra, os quatros gols feito pela equipe e a boa partida realizada pelos jogadores são apenas fruto do ótimo trabalho feito pelos profissionais do futebol da Gávea no dia a dia no CT em Vargem Grande. Confiante no trabalho realizado nesta temporada, o técnico Vanderlei Luxemburgo lembrou que a equipe vem sendo preparada desde o Campeonato Carioca. "Estou montando este Flamengo desde o Carioca, descobrindo um esquema para jogar. Era um losango no meio de campo, depois mudei. Encontrei outra maneira diferente após a saída do Maldonado. Apostei em um atacante fixo, e depois uma linha com três jogadores", contou Luxemburgo, para em seguida lembrar. "O que deve ser analisado é o momento, o projeto. Tenho certeza de que o projeto é bom. Ronaldinho e os outros vão se encaixar. Olhando para frente, vejo que estamos no caminho certo. Acredito no meu projeto. Hoje ganhamos, vamos ver até o final do campeonato", disse o treinador.

 

 

GALO


O Galo bateu o Atlético-PR por 3 a 0, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, com um gol de Toró e dois de Magno Alves.“Fui feliz com dois gols de cabeça, mas o importante é que a equipe venceu, conquistou os três pontos e começou o Campeonato Brasileiro bem. É um início bom, em uma competição que é longa e difícil, mas a gente tem que fazer a nossa parte, principalmente dentro de casa”, disse Magno Alves.


Para o volante Fillipe Soutto, o Galo alcançou uma boa vitória, mas precisa manter a concentração para conseguir uma boa arrancada. “Criamos muitas oportunidades, mas estamos satisfeitos pelo empenho, pela raça e principalmente. Os jogadores estrearam bem e a batalha só começou e ainda tem muita água para passar debaixo da ponte. Se a gente não estiver ligado em todas as rodadas, entrando para ganhar em todos os jogos, não dá para chegar. Então, pés no chão, cabeça focada e muita seriedade nesse campeonato”, destacou o jovem meio-campista.


Autor do passe para o gol de Toró e da cobrança de escanteio que resultou no primeiro gol de Magno Alves, Giovanni comemorou a boa atuação. “Hoje, em uma noite inspirada, pude ajudar os companheiros a fazer os gols e sair com vitória. Mas temos que manter os pés no chão e trabalhar firme para não deixar cair”, disse o jogador, que foi um dos destaques do Atlético na partida.


O capitão Réver fez questão de ressaltar o espírito de amizade do grupo e observou que é esse ambiente que deve ser levado pelo Atlético para os próximos jogos. “A gente precisa desse ambiente não só nos jogos, mas no dia a dia. Na noite de hoje, a gente provou que o nosso grupo é forte também e tem grandes chances de brigar por coisas grandes na competição”, afirmou o zagueiro.

 

CRUZEIRO


A estreia do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro 2011, com derrota por 1 x 0 para o Figueirense, em jogo disputado no estádio Orlando Scarpelli foi analisada pelo técnico Cuca. O comandante celeste endossou a opinião dos jogadores do elenco estrelado, de que este domingo não foi um bom dia para a Raposa e comentou a atuação discreta do time celeste.


Para Cuca, o Cruzeiro teve a oportunidade de definir a partida em seu favor ainda na etapa inicial, mas foi castigado pela falta de pontaria. O treinador reconheceu a exibição aquém da qualidade dos atletas estrelados. “Não foi um dia bom, não foi uma partida bem jogada. Nós poderíamos ter matado o jogo no primeiro tempo, tivemos quatro ou cinco bolas para escolher a melhor jogada e nenhuma delas nós escolhemos. Em algumas delas fomos imprecisos e não se pode perder chances como a gente perdeu”, disse.


O gol marcado pelo Figueirense, em uma jogada de azar da defesa celeste, foi avaliada por Cuca, que enalteceu a inteligência do adversário, em saber segurar o resultado positivo, fruto de um lance atípico. Mas o comandante da equipe mineira ressaltou as oportunidades criadas pelo Cruzeiro. “No segundo tempo eles tiveram uma sequência de três escanteios e no terceiro eles fizeram o gol. Foi uma falha nossa e nós fizemos o gol para eles. Fomos infelizes. Acontece. Eles se fecharam bem, jogaram na base da dedicação, da raça, administraram bem o resultado e tiveram mais um ou dois contra-ataques. Nós até tivemos algumas chances, com o Thiago Ribeiro, que chutou uma fora embaixo do gol, e outra com o Ortigoza”, afirmou.
A falta de inspiração dos principais jogadores do Cruzeiro também foi citada por Cuca. O técnico comentou que as alterações promovidas por ele não surtiram efeito. “Foi um dia em que as nossas peças principais não foram bem. Nem no meio campo, com Roger e Montillo, que não conseguiram encaixar esse serviço pra frente e, automaticamente, nem os jogadores da frente. Não funcionou com dois e nem depois, com três, com o Dudu vindo por trás”, frisou.

 

AMÉRICA


O torcedor americano esperou por dez anos para ver o retorno do América à Série A do Campeonato Brasileiro. E foi recompensado na noite deste domingo, na volta do Coelhão à elite do futebol, com uma vitória emocionante de virada, por 2 a 1, em cima do Bahia. Além dos três pontos e da volta triunfal, o Coelho ainda quebrou o tabu de nunca ter vencido a equipe baiana na competição nacional.


Souza fez o gol baiano, no primeiro tempo, cobrando pênalti, e Rodriguinho e Alessandro viraram para o América. O América volta a jogar no próximo domingo contra o Vasco, às 18:30, em São Januário, pela segunda rodada do Brasileirão.
 

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.