terça-feira, 10 de Março de 2015 10:48h

Cruzeirenses e Atleticanos deixam o clássico satisfeitos

O clima entre cruzeirenses era de resignação após a partida contra o Atlético, neste domingo, no Mineirão, pela sexta rodada do Campeonato Mineiro

Os jogadores consideraram o empate por 1 a 1 justo, mas lamentaram bastante a falha do goleiro Fábio, lance que originou o gol alvinegro, marcado por Rafael Carioca. “Acho que pelas circunstâncias foi justo o empate. Fomos infelizes no lance do gol, mas corrigimos e conseguimos fazer o gol. O Damião foi muito feliz. Então, vamos erguer a cabeça e continuar trabalhando porque o empate também não foi um mal resultado”, disse o atacante Willian.

O jovem Judivan, que entrou na etapa final, enalteceu o poder de recuperação do Cruzeiro, que não se abateu com a desvantagem e conseguiu buscar o empate. “Nossa equipe veio para dentro de campo para sair com essa vitória. Infelizmente num erro nosso, uma falha nossa, eles acabaram fazendo o gol. Mas conseguimos nos recuperar e buscar o empate. A virada quase veio, mas acho que pelo que o jogo foi o empate saiu de bom tamanho para as duas equipes”, analisou.

Já o zagueiro Leo, acha que o time atuou bem e que poderia até ter saído de campo com os três pontos. “A equipe fez um bom jogo. Foi aguerrida, disputou as jogadas, fomos firmes, criamos algumas oportunidades também, giramos a bola de um lado para outro, de acordo com a proposta de jogo do Atlético, que veio fechado e explorando os contra-ataques. Se tivéssemos caprichado um pouco mais nesse penúltimo passe faríamos mais gols”, afirmou o defensor.

O técnico Levir Culpi destacou a regularidade do time e avaliou que todos os setores atuaram bem. "Não faltaram oportunidades para fazer o gol, o sistema defensivo funcionou bem, foi um jogo muito regular, pelo menos isso tivemos de bom. O time jogou bem, procurou criar situações e tivemos bons momentos durante a partida”, analisou o técnico.
O empate, porém, mantém o Atlético um ponto atrás do rival, que lidera o Campeonato Mineiro com 14. Levir reconheceu, assim, que o resultado não foi bom para as pretensões do seu time, mas preferiu destacar que a equipe se saiu bem em um clássico disputado como visitante. "O 1 a 1 só é melhor que o 0 a 0. Matematicamente, o resultado não foi bom, mas, em compensação, tínhamos apenas mil torcedores contra 30 do adversário e o time não pipocou, jogou legal e teve condição de vencer”, acrescentou.

O técnico Marcelo Oliveira quer comemorar, somente o poder de reação e a determinação demonstrada pelos jogadores. “Não foi um jogo brilhante tecnicamente, mas foi um jogo muito disputado, com muito espírito de luta e competição. Foram posturas diferentes dos dois times. No primeiro tempo, nós controlamos bem até os 25 minutos, chegando ao ataque, mas com a mesma dificuldade do último jogo, na falta de uma jogada individual que pudesse resultar em gol. Tivemos um volume bom de ataque pelos dois lados. Gostei da reação do Cruzeiro, o time não se desesperou após o gol. Acho que ficou de bom tamanho o empate, mas também acho que essa era uma boa oportunidade de o nosso time ter saído de campo vencedor”, declarou.

Foi o segundo empate consecutivo do Cruzeiro, que já havia ficado no 0 a 0 com o Huracán pela Libertadores. Na competição continental, aliás, o time ainda não venceu, o que já criou um início de pressão por parte da torcida. Por isso, Marcelo Oliveira sabe que uma vitória sobre o Villa Nova, na quarta-feira, fora de casa, será fundamental. “Agora, é ter tranquilidade e confiança para trabalhar até o jogo de quarta-feira, que será uma boa oportunidade para fazermos um jogo melhor do que esse, tão competitivo quanto o de hoje (domingo), mas melhor na parte técnica. E assim a gente vai ajustando o time. Temos que ter confiança na nossa equipe, porque é com ela que iremos trabalhar muito para fazermos um grande ano”, comentou.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.