terça-feira, 26 de Maio de 2015 11:21h

Cruzeiro ainda não venceu no Brasileirão

Ainda que a primeira vitória no Campeonato Brasileiro não tenha vindo, o empate por 1 a 1 diante da Ponte Preta, neste domingo, no Mineirão, ficou de bom tamanho para os cruzeirenses

Os jogadores lembraram que, apesar da falta de entrosamento, o time, formado exclusivamente por reservas, conseguiu levar muito perigo ao adversário. “Valeu pela superação de todo mundo, pela falta de entrosamento. É um time que não vinha jogando junto, teve as suas dificuldades, mas valeu pelo primeiro ponto no campeonato para a gente poder dar nossa sequência”, analisou o zagueiro Leo.
Já o jovem Alisson, lamentou o gol da Ponte Preta, mas enalteceu o espírito de luta mostrado pelos companheiros. “Criamos várias chances, mas infelizmente a bola não entrou de novo. E também um lance (gol da Ponte) que o Marcelo falou para a gente no vestiário, que o Borges sabia escorar a bola, então, foi isso que aconteceu. Mas está todo mundo de parabéns, todo mundo se doou e é isso, daqui a pouco a vitória com certeza vem”, disse.
O meia-atacante voltou aos gramados após um mês de ausência, já que se recuperava de uma lesão muscular. Ele disse que o problema já faz parte do passado e se colocou à disposição do técnico Marcelo Oliveira para o decisivo confronto contra o River Plate, nesta quarta-feira, pela Libertadores. “Me senti muito bem depois de um mês. Não foi a primeira e nem vai ser a última lesão minha, mas estou trabalhando para dar uma continuidade e aí fica nas mãos do Marcelo. Se precisar, estou querendo entrar junto do grupo”, afirmou Alisson.
Embora tenha mandado a campo um time considerado reserva, pois priorizou o duelo de quarta-feira diante do River Plate, pela Copa Libertadores, o técnico Marcelo Oliveira deixou o Mineirão decepcionado.
O sabor do resultado foi amargo também pelo fato de que sua equipe abriu o placar aos 36 minutos do segundo tempo, mas sofreu o empate logo depois, aos 39. "Posso dizer, com toda segurança, que nós perdemos dois pontos. Não que tivéssemos sido absolutamente superiores, mas no segundo tempo nós atacamos muito. Foram 10 finalizações, acho que 12 escanteios, e só foram criados porque estávamos no campo de ataque", ressaltou o comandante, em entrevista coletiva.
O treinador reconheceu as qualidades e o mérito do seu adversário, mas acredita que sua equipe merecia melhor sorte em Belo Horizonte. "A Ponte Preta é muito bem armada, ela tem contra ataque, ela se recompõe, tem um ataque muito rápido. A gente tinha essa preocupação, mas mesmo assim ainda atacamos bastante com um time que está desentrosado e não vem jogando junto, com alguns jogadores ainda sem ritmo. Mas vale ressaltar o espírito dos jogadores que se doaram muito e por pouco não saímos com a vitória", completou.
Já ao projetar a partida desta quarta, às 22 horas, no Mineirão, Marcelo Oliveira admitiu que seu time conquistou uma "vantagem muito boa", por ter vencido a partida de ida por 1 a 0, na semana passada, em Buenos Aires, mas lembrou que a equipe não pode se acomodar atuando em casa. "O River Plate tem uma bela equipe, que vem jogando melhor fora de casa. Então é necessário que a gente tenha esse espírito, com todos envolvidos com o jogo, nós que vamos ao campo, a torcida que vai em grande número, e tendo paciência porque será um jogo extremamente difícil e foi por isso que descansamos nossos jogadores", encerrou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.