segunda-feira, 24 de Março de 2014 11:22h

Cruzeiro com a calculadora na mão

Os números parecem estar ao lado do Cruzeiro na Libertadores.

Mal tecnicamente no torneio e com risco de ser eliminado precocemente, o time do técnico Marcelo Oliveira ainda depende, praticamente, de suas forças para garantir presença nas oitavas de final da competição continental. Para conseguir o feito, tem que vencer a Universidad de Chile, em Santiago, e o Real Garcilaso, no Mineirão. No entanto, para não correr o risco de perder a vaga no saldo de gols, o ideal é golear pelo menos um dos dois adversários.
Nesse cenário, somente uma goleada improvável da La U sobre o Defensor (que entrará em campo precisando pontuar para passar), no Uruguai, tiraria a vaga da Raposa. Apesar de não ser 100%, duas vitórias, sendo uma por goleada, deixa o Cruzeiro praticamente assegurado nas oitavas de final.
O técnico Marcelo Oliveira tem consciência de que dois triunfos vão deixar a equipe com a mão na vaga. O treinador lamentou o empate inesperado dessa quinta-feira, mas manteve a confiança. “Não acabou ainda. O resultado foi terrível, desastroso, tínhamos 2 a 0 com volume e controle, mas não acabou. Somos profissionais, vamos absorver, e dependemos de duas vitórias, acredito, para classificar. Temos condições, pelo que demonstramos nesta quinta-feira", avaliou.
Terceiro colocado, o Cruzeiro soma quatro pontos e um gol de saldo. O Defensor é o segundo, com sete pontos e saldo positivo de quatro. No entanto, a Universidad de Chile, líder isolada com nove pontos, tem saldo negativo de um gol. Uma derrota para o Cruzeiro, na próxima rodada, piora o saldo dos chilenos e ainda os obriga a pontuar contra o Defensor, fora de casa.
Mesmo ser for derrotado para o Real Garcilaso, o time uruguaio chega na última rodada dependendo só de suas forças para ficar com a vaga. Nesta partida, um mata o outro e resolve o problema da Raposa.  “A equipe tem total condição de jogar bem em qualquer lugar. Fizemos isso no Brasileiro, em que precisávamos ganhar sempre. Não é porque vamos jogar contra o líder do grupo (Universidad de Chile) que a gente não pode conseguir uma vitória. Nossa equipe é a mesma desde que começou a Libertadores”, disse o goleiro Fábio, capitão da equipe. “Vamos lutar pelas vitórias que a gente precisa e, no final, daremos entrevista com a classificação”, prevê o camisa 1.
Da mesma maneira que duas vitórias deixam a vaga quase garantida, um empate no Chile coloca o sonho celeste bem mais distante. Além de vencer os peruanos na última rodada, o Cruzeiro dependeria de uma improvável combinação para avançar.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.