quarta-feira, 3 de Agosto de 2011 10:45h Luciano Eurides

Cruzeiro encara o último invicto do Brasileirão

O Cruzeiro, depois de quebrara a invencibilidade do Corinthians, recebe hoje o Flamengo, último invicto da competição nacional. A partida será às 21h50, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.


O treinador cruzeirense se apega ao estilo das duas equipes, que sempre proporcionaram confrontos abertos e emocionantes. Logo, a expectativa de Joel é ver um grande jogo. “Com certeza. E é característica do Cruzeiro e do Flamengo. São duas equipes que gostam de jogar, que gostam de atacar e, com isso, deverá ser um belo jogo. As duas equipes têm jogadores para isso, têm história para isso, e toda vez que se enfrentam, fazem grandes jogos”, disse.


As atenções estarão voltadas para o jogo desta quarta-feira, mais ainda pela presença de Montillo, pelo lado cruzeirense, e de Ronaldinho Gaúcho, pela equipe do Flamengo. Os dois jogadores têm se destacado no Campeonato Brasileiro, com jogadas bonitas e gols. “Bom se os dois estiverem no dia deles, vão encantar mais o jogo, vão trazer coisas diferentes, pois são dois jogadores que sempre trazem um algo mais, do futebol bem jogado, da classe, da técnica, da improvisação. Esses dois jogadores estando num dia normal deles, têm tudo para fazer uma grande apresentação”, comentou Joel.


Questionado sobre como fazer para não permitir que Ronaldinho Gaúcho tenha espaços para criar jogadas, Joel brincou: “Se você tiver a fórmula aí, você me empresta (risos)”. E em seguida emendou: “Mas nós vamos tentar. Assim como eles vão tentar lá também, não resta dúvida. Se nós conhecemos bem, a gente dificulta, parar é difícil. Parar o craque é difícil. A gente dificulta como em qualquer esporte. Tem dia que eles estão num dia especial e dificilmente você consegue ter êxito para dificultar, com a dificuldade do jogador. Agora, tentar dificultar, não é dar pancada, não é nada disso. É diminuir o espaço que o jogador quer e pretende para criar as suas jogadas”.
 

Com relação ao bom momento do adversário desta quarta, e de um certo favoritismo pelo bom momento em que atravessa no Brasileirão, Joel Santana minimiza. “Esse negócio de favorito em futebol... Quando o jogo começa é quem está bem e quem está mal. Eu sempre coloco que, indiferente dos adversários, se nós jogarmos o que a gente pode jogar, não tem nenhum tipo de problema. O que não podemos é jogar em duas pontas, fazer uma partida como fizemos contra o Corinthians, e jogar mal como jogamos contra o Atlético-GO. Acho que a equipe tem que ter uma padrão de jogo. Se não conseguirmos jogar 100%, também não podemos jogar em 40%. Vamos jogar entre 70 e 80%. Se a gente fizer isso, vamos ter uma superioridade, porque o time tem qualidade para isso”.
 

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.