sexta-feira, 29 de Maio de 2015 13:39h

Cruzeiro perde e é eliminado da Copa Libertadores

O Internacional de Porto Alegre foi o primeiro clube brasileiro a colocar os pés na semifinal da Taça Libertadores da América

Uma série de falhas teve como consequência a derrota do Cruzeiro por 3 a 0 contra o River Plate, na noite desta quarta-feira, e a eliminação do time celeste nas quartas de final da Copa Libertadores.

O time gaúcho recebeu no Beira Rio a equipe do Santa Fé e venceu pelo placar que precisava, 2 a 0. A vitória foi conquistada em dois momentos distintos do jogo: no início, com um gol de cabeça marcado pelo zagueiro Ruan, e no final, também de cabeça, com Rafael Moura. Uma partida de um primeiro tempo existente somente pelo gol colorado. No segundo um massacre da equipe brasileira.

D'Alessandro teve em todo o jogo 15 oportunidades de cobrar escanteios e na última é que ele achou na área o centroavante que acabava de entrar na partida. O time do Internacional é o melhor em formação tática, saiu do tradicional e assumiu o risco. Uma ousadia, mas também uma preparação bem feita. Desde encarar com um time alternativo, o estadual e o Brasileirão e até em manter a equipe principal descansada e muito bem treinada.

O Cruzeiro recebeu no Mineirão o River Plate. A pior formação do time argentino em toda a histórica participação deles na Libertadores. Isso nada incomodavam os hermanos, como na falha da marcação e a bola colocada nos pés de Sánchez, para ele fazer 1 a 0 ainda no primeiro tempo de jogo. Ainda na primeira etapa, nova pane do sistema defensivo mineiro e gol do River Plate. O Cruzeiro seguiu para o intervalo perdendo por 2 a 0. Na etapa final, Gutiérrez deu placar final ao duelo.

Nas semifinais, o River pode enfrentar quem se classificar do confronto entre Racing-ARG e Guaraní-PAR, que jogam nesta quinta-feira, às 21h, na Argentina. Na partida de ida, vitória dos paraguaios, em casa, por 1 a 0. Se der Racing, o River pega o Internacional, já que a Conmebol evita o duelo entre duas equipes de um mesmo país na final. Agora, a Raposa volta as atenções para o Campeonato Brasileiro, que chega à quarta rodada. Neste domingo (31), enfrenta o Figueirense, às 18h30, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis.

Antes de a bola rolar, uma homenagem ao técnico Marcelo Oliveira, cuja mãe morreu na véspera do duelo. Após um minuto de silêncio com as duas equipes enfileiradas, uma de frente para a outra, a torcida gritou “Marcelo! Marcelo!”, o que levou o técnico às lágrimas.
O centroavante Leandro Damião ressaltou que a Raposa, assim como os argentinos, teve chances de marcar, mas cometeu erros. “Demos muita liberdade para eles jogarem. Bobeadas nossas. Em clássico, o jogo é decidido em detalhes. Tivemos oportunidades na frente e não fizemos. Em jogo assim não pode dar bobeira”, analisou.

O meia-atacante Alisson também frisou a chateação dos jogadores pelo resultado, mas não deixou de citar as falhas da equipe. “Estamos todos chateados com o que aconteceu. O torcedor lotou a nossa casa, mas entramos desligados. É hora de esfriar a cabeça, ver o que o passou e pensar no Brasileiro e na Copa do Brasil”, disse. “É difícil explicar num momento desse”, completou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.