quinta-feira, 16 de Agosto de 2012 10:55h Gazeta do Oeste

Cuca lamenta erros de finalização e bolas na trave contra a retranca goianiense

Não era o dia do ataque alvinegro. O melhor do Campeonato Brasileiro perdeu muitas oportunidades contra o lanterna Atlético-GO. Como consequência, o Galo voltará de Goiânia com um ponto na bagagem.

 

 

“Era uma noite que poderíamos jogar até agora que não íamos ganhar. Não ia porque o momento de ganhar o jogo foi quando empatou e perdemos muitos gols. Tivemos três bolas na trave, pecamos muito na finalização, perdemos gols incríveis. Se fizéssemos 2 a 1, o adversário ia sair para o jogo e poderíamos fazer o terceiro, de repente. Mas o adversário tem seus méritos também, foram valentes no segundo tempo e usaram a defesa e estão certos. Foram duas linhas de quatro bem atrás”, analisa o técnico Cuca.

 

 

Os dois gols da partida saíram no primeiro tempo. Na etapa final, o Dragão se fechou na defesa. As mudanças feitas por Cuca para tentar agredir o adversário não surtiram efeito.

 

 

“Tentamos abrir com Carlos César na direita e Escudero na esquerda, para fazer “um dois” pelos lados com os laterais. Depois entrou Richarlyson para ser mais agudo. Não fomos felizes. Hoje, nem as trocas foram boas. Mas não fizemos o gol da vitória. Criamos muitas chances. É uma noite para pensar que a rodada poderia ser melhor, como poderia ser pior”, diz o comandante.

 

Até mesmo o zagueiro Réver foi acionado, nos minutos finais da partida, como atacante. Tudo para ajudar Jô, que não esteve em uma noite feliz.

 

 

“Não era a noite do Jô, como não era a noite dos outros. Perdemos muitos gols, que geralmente fazemos. No final, o Réver acabou jogando como centroavante, fez o homem de área ao lado do Jô. Mas aí o cruzamento não estava bom. Ao invés de cruzar, cortamos para o pé ruim, armamos o contra-ataque, tomamos cartão amarelo. Não fizemos as escolhas certas e não vencemos uma partida que poderíamos, tamanha as chances que tivemos”, afirma Cuca.

 

Por um lado, fica a lamentação por não ter vencido o último colocado do Campeonato Brasileiro. “Fora de casa, levamos um pontinho. Não era o que a gente queria”, ressalta o técnico. Por outro, Cuca dá um desconto para a melhor equipe da competição. “Eles têm o direito de perder gols um dia. O melhor ataque da competição hoje não foi bem”, afirma.

 

 

Agora, o desafio é calibrar o pé contra o Botafogo, domingo, em casa. Fora de campo, a diretoria busca alternativas ofensivas para suprir a lacuna deixada por André, agora do Santos.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.