quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2013 05:50h Luciano Eurides

Dedicação e coragem é a marca do primeiro gol do Bugre no campeonato mineiro

Atacante vindo do interior de Goiás, de muitas lutas e conquistas é o autor do primeiro gol do Guarani no campeonato mineiro

O Guarani estreou com um empate pelo campeonato mineiro. Resultado considerado bom por ser fora de casa, frente a Caldense, uma tradicional e que treina a muito tempo. O campo bom, porém molhado devido a forte chuva que insiste em cair também no Sul de Minas. A equipe começou perdendo até aparecer o corajoso Lucas Newiton que saiu do banco de reservas para empatar o jogo e garantir o primeiro ponto da equipe no estadual.
O atacante não entrou em uma situação confortável, placar adverso e ainda a saída de Faísca (Carlos Júnior) considerado um dos melhores em campo da equipe bugrina não agradava aos poucos torcedores presentes no estádio. No entanto o Lucas Newiton entrou de cabeça na chuteira do zagueiro, fez o gol e ganhou uma pequena lesão na cabeça, o popular galo.
O atleta da cidade de Goianésia no interior de Goiás tem o nome um item a mais, não apenas o vocábulo ‘i’ acrescentado a frente do ‘w’ obrigando a consoante a fazer o som de ‘v’, assim Newiton, um pouco diferente do nome estrangeiro que se tornou popular no Brasil. O uso do sobre nome dele foi necessário pelo fato de Lucas Dantas estar apalavrado com o Guarani, não se apresentou e seguiu para Coritiba. O nosso Lucas, o Newiton,  iniciou a carreira profissional em 2008, antes defendeu o Anápolis nas categorias de base até ajudar a equipe a subir para a primeira divisão do campeonato goiano, disputou uma Taça São Paulo e duas competições pelo Olímpia onde em 2012 trabalhou com o treinador Leston Júnior.
Apesar da pouca idade nada foi fácil na vida do atual artilheiro do Guarani. “Nunca é fácil, passei por poucas e boas no estado do Tocantins, nada para comer e as vezes um cuscuz”, confessou. As dificuldades existem para quando alcançar a vitória ele seja valorizada, para nunca querer voltar e dar o verdadeiro valor do que se conquista”, ensina.
O fato dele iniciar a partida no banco de reservas não chateia o atleta. “O professor sempre premia quem trabalha bastante e comigo não foi diferente, trabalhei muito para se estar entre os 18, pois nosso elenco é grande e até mesmo para estar entre os convocados é trabalhoso. Graças a Deus consegui e fui muito feliz. O professor optou em estar me colocando e pude entrar e fazer o gol, o mais importante foi ajudar o Guarani em uma viagem longa, um campo pesado e sair de lá com um ponto”, declarou.   
Ele garante ser um trabalho em equipe e cada um faz o máximo onde está. Mesmo no banco já tramava com Jajá a jogada do gol. “Conversávamos de como poderíamos ajudar a equipe caso o professor optasse por um de nós e como ajudar. Conversava com o Jajá. Houve um bom trabalho no primeiro tempo onde Faísca e Eric fizeram um excelente trabalho, pegamos a defesa um pouco cansada pelo campo pesado e graças ao trabalho de equipe (se assim posso dizer) conseguimos empatar a partida”, garantiu Lucas Newiton.
Além de um ponto o atacante trouxe para Divinópolis um galo na cabeça. Na tentativa de tirar a bola o zagueiro chutou a cabeça de Lucas Newiton, ou ele atacou o pé do defensor para ganhar a bola.  “Atacante tem sempre que procurar fazer o gol, da forma que seja e as vezes custa um galo na cabeça como ficou, mas é isso mesmo, estou sempre a disposição. Todo sacrifício é válido”, afirma.
O garoto simples, dedicado nos treinamentos, respeitoso com todos, seja colegas de trabalho ou imprensa, um sorriso de um lado ao outro enfeita o rosto onde se lê felicidade. “Estou feliz, o professor oportunizou minha vinda para o Campeonato Mineiro, um dos maiores do Brasil, enfrentaremos grandes times da série A e B do Campeonato Brasileiro, sou jovem e quero algo mais na carreira”, confessou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.