quinta-feira, 20 de Setembro de 2012 10:35h Gazeta do Oeste

Depois de desabafo, goleiro Fábio é 'blindado' pela diretoria celeste

Fábio e Montillo podem ser considerados os ídolos da torcida celeste no elenco atual. Mas no último domingo o goleiro foi personagem de declarações fortes e cogitou até uma saída do clube. Vetado como opção na votação dos jornalistas para a entrevista coletiva desta quarta-feira, o jogador foi “preservado” pela diretoria e proibido de falar com a imprensa.

A polêmica começou após o arqueiro ser questionado pelo gol de empate do Vasco, no último domingo. No lance, ele não conseguiu afastar a bola, na cobrança de falta de Juninho, e Nilton aproveitou o rebote para balançar as redes. Depois de garantir que não havia falhado e que poderia deixar o clube se fosse o desejo do torcedor, o arqueiro teve o desabafo minimizado pelo técnico Celso Roth.

“Foi normal. O Fábio já nos salvou tantas vezes. Mas, em termos de notícia e manchete, é melhor o erro do que o acerto. Estar na corda bamba é muito melhor para vender. Ninguém mais do que o Fábio deve ter equilíbrio. É muito difícil ser goleiro. Ele está vendo o que está acontecendo, positivo ou negativo, e ele não tem o poder de mudar isso. Ele só pode ajudar para não ficar pior. Ele é cobrado depois do jogo, sente, mesmo que seja experiente, e desabafou com toda normalidade e naturalidade. É compreensível que ele faça isso”, disse o técnico cruzeirense.

Ao comentar o fato, o colega de Cruzeiro, Wellington Paulista, preferiu adotar um discurso político e disse que não sabia o motivo do veto. "Se barrou, aconteceu alguma coisa. Eu não sei. Se barrou, tem algum motivo. O mais importante é treinarmos forte para fazer grande jogo em São Paulo"

O goleiro defende a meta celeste desde 2005 e tem 463 jogos com o uniforme azul. Ele conquistou quatro campeonatos estaduais e foi vice da Libertadores em 2009.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.