quarta-feira, 13 de Junho de 2012 13:27h Luciano Eurides

Devagar o Cruzeiro vai ajustando o elenco

Após um final de 2011 tumultuado, com a possibilidade inédita de rebaixamento, o Cruzeiro iniciou 2012 cercado pela desconfiança da torcida e da crônica esportiva. O início de ano não foi dos mais tranqüilos

Após um final de 2011 tumultuado, com a possibilidade inédita de rebaixamento, o Cruzeiro iniciou 2012 cercado pela desconfiança da torcida e da crônica esportiva. O início de ano não foi dos mais tranqüilos e após várias contratações indicadas pelo treinador Vagner Mancini, vieram as desclassificações na Copa do Brasil e Mineiro.

 


Após a dispensa do técnico e a chegada de Celso Roth, novas contratações se fizeram necessárias e ajustes no elenco. Esta semana foram emprestados os jogadores Marcos e Bruninho, o atacante Walter também está de saída e a torcida aguarda ansiosa por novas caras na Toca da Raposa.

 

Mas com um início de campeonato que vem superando as expectativas e com a implantação do estilo Celso Roth, o time parece que toma corpo com o próprio elenco mesmo, sem os reforços esperados.

 

A chegada de Fabinho, que agradou nos primeiros jogos e a confirmação de que o atacante Wallyson, de fato, ficará emprestado ao Cruzeiro até o fim da temporada parece que vão resolvendo mesmo que paliativamente os problemas que pareciam insolúveis.

 

Wallyson

 

O contrato de Wallyson que se encerraria em agosto, foi prorrogado e será assinado durante esta semana. O presidente Gilvan de Pinho Tavares disse, há sete dias, que as partes estavam muito próximas de chegarem ao acordo.

 


Wallyson não foi relacionado para as duas últimas partidas do Cruzeiro por causa do imbróglio. O passe do atacante pertence 50% à empresa HAZ Sport Agency, do empresário Gustavo Arribas, ligada ao Deportivo Maldonado-URU. Caso seja vendido até dezembro, o Cruzeiro tem 30% do montante, por exposição do jogador. O empresário Flávio Anselmo, de Natal-RN, detém 10% dos direitos econômicos. Os outros 10% pertencem ao próprio Wallyson.

 

No fim de dezembro, o Cruzeiro terá a opção de comprar o jogador, mas o valor não está fixado. Uma nova negociação, portanto, será aberta. “Depois que terminar o contrato atual, até dezembro, aí vamos sentar novamente, para ver uma negociação definitiva, mas não há valor fixado, tudo será conversado”, explicou Arribas, à reportagem.

 

Na última semana, o diretor de futebol Alexandre Mattos revelou que a HAZ Sport Agency pediu 6 milhões de euros para a compra definitiva do atleta em agosto. O clube acabou chegando ao acordo para prorrogação do empréstimo.

 

Montillo, enfim em casa

 

Demorou, mas chegou a hora de Montillo finalmente conhecer a torcida do Cruzeiro de Belo Horizonte. O argentino, que chegou à Toca da Raposa em julho de 2010 jamais colocou os pés em um estádio da capital mineira. Curiosamente, ele jogou contra o clube celeste, pela Universidad de Chile, na Libertadores de 2009, mas somente em Santiago. Na partida em Belo Horizonte, Montillo estava lesionado e não conheceu o Mineirão.

 


Longe de BH durante os dois anos de Cruzeiro, o craque não esconde a ansiedade por conhecer a torcida celeste na capital. “Será meu primeiro jogo em BH sábado, se Deus quiser, muito tempo se passou e todo mundo me falava que é muito diferente jogar em BH, eu não conhecia, então não podia falar. Sábado vou jogar em casa, com a torcida perto, e acho que vai ser bom”, disse Montillo, em entrevista à TV Alterosa.

 

Nos dois anos de Cruzeiro, o meia argentino já disputou 92 jogos e marcou 32 gols, média de 0,35 por partida. Na partida de maior público no interior, contra o Corinthians, em Uberlândia, Montillo foi decisivo e marcou o gol da vitória por 1 a 0, diante de 37.377 pagantes.

Leia Também

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.