sábado, 15 de Fevereiro de 2014 04:11h Atualizado em 15 de Fevereiro de 2014 às 04:16h. Mariana Gonçalves

Ex-secretário de Esportes explica polêmica sobre Centro de Atletas

De acordo com informações que estão circulando entre os divinopolitanos, o município teria perdido a oportunidade de conquistar para a cidade o Centro de Formação de Atletas.

De acordo com informações que estão circulando entre os divinopolitanos, o município teria perdido a oportunidade de conquistar para a cidade o Centro de Formação de Atletas, a ser instalado no bairro Icaraí. Ainda conforme especulações a obra que seria para Divinópolis, agora será realizada em Itaúna. O investimento está orçado em mais de R$ 6,2 milhões, que irá contemplar a construção de uma grande estrutura para o treinamento de judô, taekwondo, ginástica olímpica, dentre outras modalidades de esportes.
A população que não ficou nada satisfeita com essa notícia, usou as redes sociais para se manifestar. Em alguns textos postados no Facebook, as pessoas pedem por uma explicação da prefeitura já que a mesma sabia desse empreendimento e segundo postagens, nada fez para de fato trazê-lo para a população.
Sobre esse assunto o ex-secretário de Esportes, Rômulo Duarte, que está a par da situação, conversou com nossa equipe de reportagem. Segundo Duarte, é importante que a população intenda que dois projetos distintos ocorreram. “Um projeto é da Secretaria que é o Centro de Iniciação Esportiva (CIE), o outro é um projeto que é pela lei de incentivo ao esporte que foi uma iniciativa de alguns empresários da cidade. O projeto do CIE que foi pela Secretaria de Esportes por meio do prefeito Vladimir, ele já está com o recurso garantido e já foi aprovado, as obras inclusive já vão ter início. Agora o outro projeto como é lei de incentivo, os empresários apresentaram o projeto em Brasília, e vale ressaltar que não é um projeto da cidade, é uma ação que Divinópolis esta apoiando. Então esse projeto foi para Brasília e ganhou a aprovação para captar recursos. Como esses dois projetos foram cadastrados na mesma área, no mesmo terreno, fizemos o seguinte; o projeto que ganhasse a aprovação primeiro seria o que levaria o terreno, para o outro projeto nos iríamos deslocar outra área no próprio bairro Icaraí, inclusive o outro espaço que iríamos passar para essa obra está em frente onde será a primeira, ou seja, é só atravessar a rua. Os empreendedores nos alegaram que não podiam deslocar a área, que tinha que ser já no espaço destinado também para o CIE. Como o projeto da Secretaria começou a ser processado em Brasília em março, (e isso eu tenho todas as atas que comprovam essas datas guardadas) e já estava depositado o dinheiro, abrimos mão daquele que ainda tem que captar recurso. Então fizemos assim, passamos a prioridade para o projeto da Secretaria, porém, nos comprometemos a arrumar um outro espaço para esses empresários, que seria o terreno em frente. Com isso, eu vi pela imprensa que então eles (empresários) resolveram levar a obra para Itaúna e ai é eu quem pergunto: Se não podia mudar de área, porque foi para Itaúna? Já que nós oferecemos um terreno que era só atravessar a rua. Essa resposta quem tem que dar são esses empreendedores, porque se eles pegaram o projeto e foram para Itaúna então porque não aceitaram a proposta do prefeito de assumir outro terreno. Outra coisa é que a oposição fez disso um fato político para manchar a imagem da gestão com meias verdades.  Mas, estamos abertos a explicações e a mostrar os documentos de todos os processos” encerra Rômulo.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.