terça-feira, 12 de Julho de 2016 14:25h Atualizado em 12 de Julho de 2016 às 14:44h. Luciano Eurides

Flamengo é campeão da Super Copa Imef 2016

O Flamengo Esporte Clube, da cidade de Divinópolis, é o campeão 2016 da Super Copa Imef, na categoria 2004, depois de vencer o Cruzeiro, na manhã do último domingo (10)

POR LUCIANO EURIDES

luciano.eurides@gazetaoeste.com.br

 

O Flamengo Esporte Clube, da cidade de Divinópolis, é o campeão 2016 da Super Copa Imef, na categoria 2004, depois de vencer o Cruzeiro, na manhã do último domingo (10), na Arena Gregorão, na cidade de Contagem. A equipe saiu perdendo, buscou o empate e, nos pênaltis, o goleiro Vitinho fez a diferença e o rubro negro ficou com o título.

 

O jogo teve um início difícil para a equipe campeã. Com o Cruzeiro mais ofensivo, o Flamengo tentava achar a bola para ser colocada na área adversária, mas só conseguia nas cobranças de faltas e escanteios. Assim, o time da Toca da Raposa aproveitou a indecisão na zaga do Flamengo, teve de chutar duas vezes, pois na primeira Vitinho fez a defesa, no rebote, a Raposa abriu o marcador.

 

O gol não trouxe efeito imediato. A partida continuou com o Cruzeiro melhor em campo, Vitinho teve de fazer três importantes defesas em duas cobranças de escanteio, usou as mãos e os pés, mas livrou o Flamengo de sofrer o segundo gol. No meio, Lucas José tentava de todas as formas acionar o ataque, mas estava distante, nos lançamentos, a defesa azul estava em vantagem. Antes do final do primeiro tempo, Vitinho fez uma defesa espetacular, aquela para entrar para história.

 

No segundo tempo, o Flamengo corrigiu a distância do ataque para o meio campo, encurtou os espaços, passou a fazer a bola girar, e o Cruzeiro teve de correr muito para marcar. Em uma bola trabalhada no meio-campo, a defesa azul já se viu envolvida e, no chute de esquerda, o goleiro Vitão, do Cruzeiro, fez a primeira defesa difícil na partida, e esta foi apenas uma das demais vezes que ele teve de trabalhar. O Flamengo já saía com a bola de pé em pé e pelos dois lados do campo, deixava a defesa Cruzeirense como em meio a um bombardeio.

 

O gol do Flamengo foi fruto deste crescimento dentro da partida. Uma bola trabalhada no meio campo, a defesa colocou para escanteio, a cobrança fechada no primeiro poste obrigou o goleiro a socar a bola, ela subiu, o zagueiro cabeceou para frete, a bola caiu nos pés de João Gabriel, ele chutou forte e empatou a partida. Um gol difícil, pois havia oito jogadores do Cruzeiro dentro da pequena área. Foi a força flamenguista empurrando o time da capital para dentro do próprio gol.

 

O empate foi se tornando heroico, pois os atletas já estavam cansados. Lucas José, por exemplo, estava com muitas dores, não conseguia sequer permanecer de pé, mas ainda assim se esforçava ao máximo e ele é essencial ao time. Chorou, de dor, mas ultrapassou todos os limites e ficou até o fim. Esse final ainda reservava muita emoção.

 

Nos minutos finais da partida, a tradicional pressão, mas o placar ficou 1x1 e a decisão nas cobranças de penalidades. O goleiro do Flamengo estava tranquilo, calmo, não percebi nenhuma outra pessoa em tamanha paz. O Flamengo abriu as cobranças marcando com Gabriel, Vitinho defendeu a primeira cobrança do Cruzeiro. Na sequência, João, Cadu e João Gabriel fizeram para o Flamengo. Também os atletas do Cruzeiro converteram as cobranças, menos o camisa sete. Ele chutou de perna direita, à direita de Vitinho, onde ele tinha pedido, embora o chute tenha sido forte, o goleiro do Flamengo foi na bola e, com as duas mãos, firme, fez a defesa e jogou a bola para fora da pequena área, com a tranquilidade de sempre, ele garantiu o título para o Flamengo.

 

O treinador Paulinho falou da importância desse título. “Não tenho nem palavras, ser campeão mineiro já é difícil e ainda ter de bater os grandes, como América e Cruzeiro, é motivo de muito orgulho para Divinópolis. Um time lá do Flamengo e como outros da cidade, com tantas dificuldades vir à capital, vencer, temos de dar valor a esses meninos, que fizeram uma partida brilhante. Passamos aperto no início, mas o time soube reagir, empatar o jogo e ganhar nos pênaltis”, disse.

 

A competição mostrou uma equipe tropeçando no começo, mas empenhada nas partidas eliminatórias, vencendo o Sintetic Boll (base do Galo), o América e o Cruzeiro. Segundo Paulinho, foi um trabalho conjunto. “Tropeçamos no início, havíamos perdido jogadores importantes, sendo um titular, os meninos um pouco desacreditados, juntamos, pedimos e fizemos palestras. Aumentamos a confiança e conseguimos essa felicidade”, explicou.

 

Com a exibição diante dos clubes da capital, pelo menos três atletas estão na mira das três grandes equipes de Belo Horizonte. O treinador acredita na saída deles. “Eu acho que devemos perder alguns jogadores sim, estamos preparados para tentar repor essas peças”, avaliou.

 

O atleta Lucas José teve uma atuação especial. Ele sentiu muitas dores e era perceptível a vontade dele de ajudar e vencer. “Eu bati no chão, não estava dando mais, muita dor, mas não se pode desistir e vai no sacrifício e temos muita raça”, falou em lágrimas, mas essas não de dor, mas de alegria e sentimento de dever bem feito.

 

O goleiro Vitinho, com muita calma, se mostrou um atleta frio. “Sou calmo e na hora do jogo procuro bastante me acalmar, sempre tenho muita vontade de vencer e por isso me empenho nos treinamentos e onde procuro sempre esperar a batida na bola e assim tive a felicidade de pegar dois pênaltis. Esse é um título muito importante e difícil de conquistar, tanto que devemos ter jogadores saindo para os grandes, já tem o Carlos Eduardo (Cadu) no Cruzeiro e acredito que o Lucas José também vá”, falou o responsável direto pelo título.

 

O pai do goleiro é o também jogador de futebol, Luciano. Ele ficou muito mais nervoso que o filho Vitinho. “Eu acredito que de fora sofro mais, nós de fora sofremos, mas Deus nos premiou com essa grande conquista. Os meninos merecem. Sempre falei com ele (Vitinho) para esperar e isso ele fez, estão todos de parabéns e agradecemos a todos”, falou ele em nome da enorme torcida de pais que estiveram presentes na Arena Gregorão.

 

 

A Imef, em termos de competição, deverá ter mudanças já neste segundo semestre. Nas próximas edições, vamos detalhar essas questões, algumas polêmicas também.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.