segunda-feira, 3 de Dezembro de 2012 05:57h

Galo bate o Cruzeiro, é vice-campeão e garante vaga direta na Libertadores

Galo bate o Cruzeiro, é vice-campeão e garante vaga direta na Libertadores

Espetacular. Para um jogo que valia apenas uma vaga direta na fase de grupos da Taça Libertadores de 2013, Atlético-MG e Cruzeiro fizeram um duelo digno da história do confronto. Cinco gols, expulsões, pênalti perdido, bola na trave, duas viradas no placar e muitas chances de ambos os lados. Esses foram os ingredientes do clássico mineiro da última rodada do Campeonato Brasileiro. A partida, disputada neste domingo, no Independência, terminou com vitória alvinegra por 3 a 2, após cinco jogos sem vencer o maior rival. Os gols do Galo foram marcados por Bernard, Leonardo Silva e Réver. Para o Cruzeiro, fizeram Martinuccio e Everton.
Bernard comemora o primeiro gol do clássico (Foto: Bruno Cantini / Site Oficial do Atlético-MG)Bernard comemora o primeiro gol do clássico (Foto: Bruno Cantini / Site Oficial do Atlético-MG)

A torcida do Atlético-MG compareceu em grande número ao estádio, certa de que a invencibilidade em casa, na atual temporada, seria mantida. A equipe alvinegra, desde a conquista do Campeonato Mineiro, não perdeu nenhuma partida diante do torcedor. Em determinado momento do jogo, a impressão era a de que o Cruzeiro conseguiria a vitória, mas, em dois gols assinalados por zagueiros, quando o rival estava à frente no placar, o Atlético-MG virou o jogo.
saiba mais


Com o resultado, e também com o empate sem gols entre Grêmio e Inter, o Atlético-MG terminou o Brasileirão na vice-liderança, com 72 pontos, atrás apenas do Fluminense, que somou 77. O Cruzeiro, que ainda brigava pela sexta colocação na tabela, ficou em nono, com 52.

Os jogadores das duas equipes, a partir desta segunda-feira, estão liberados para as férias. Atlético-MG e Cruzeiro, a partir de janeiro, iniciarão a pré-temporada para 2013. O primeiro compromisso de ambos será pelo estadual, no dia 3 de fevereiro, novamente no grande clássico, na reinauguração do Mineirão.

Clássico movimentado

O jogo valia muito para o Galo, que precisava da vitória para termnar como vice-campeão e obter a vaga direta na fase de grupos da Taça Libertadores de 2013. Os técnicos optaram pela lógica, e não houve novidade nas escalações. Após o apito inicial, cada palmo do gramado passou a ser disputado com todo vigor e vontade por ambos os times. O clima esquentava a toda disputa de bola, mas o árbitro Paulo César Oliveira era firme e marcava as faltas de perto.

Apenas com a torcida do Galo nas cadeiras do Independência, o time alvinegro tratou de brindar os presentes. Logo aos cinco minutos, Guilherme foi à linha de fundo e cruzou para a área, Leandro Guerreiro tirou mal, e a bola sobrou para o pequenino Bernard. O meia se agigantou no maior jogo de Minas Gerais e abriu o placar em um chute de primeira, sem chances para Fábio.

A festa alvinegra, que havia começado bem antes da partida, aumentou ainda mais. E a vontade dos jogadores também crescia a cada dividida. O volante Pierre abriu a lista dos amarelados ao parar Everton, que seguia livre em direção ao gol. Os jogadores do Cruzeiro foram à loucura e pediram a expulsão do atleticano.

A Raposa tratou de equilibrar as ações e fez a torcida do Galo sentir calafrios. Anselmo Ramon acertou a trave, e na sequência o goleiro Victor tirou dos pés de Martinuccio, que se preparava para empurrar para as redes.

O jogo era igual, mas o Galo, aos 36 minutos, teve chance de aumentar a vantagem. Jô girou sobre Leandro Guerreiro, que errou o bote e derrubou o atacante alvinegro dentro da área. Pênalti bem marcado. Porém, Ronaldinho Gaúcho cobrou rasteiro e fraco, e Fábio fez ótima defesa.

O Cruzeiro, novamente estimulado, não perdoou. No último lance do primeiro tempo, aos 46 minutos, Montillo cruzou, e Martinuccio subiu sozinho. O atacante fuzilou de cabeça para empatar a partida. Tudo igual na primeira etapa para um futebol equilibrado.

Virada do Galo

Os times retornaram para o segundo tempo com os mesmos jogadores, mas o Cruzeiro voltou melhor. Logo aos cinco minutos, Everton entrou livre na área, após passe perfeito de Thiago Carvalho, e, diante do goleiro Victor, fuzilou para as redes e virou o placar. Silêncio no Independência.

O gol fez a torcida do Galo pegar no pé de Guilherme, jogador tradicionalmente escolhido pelos atleticanos para pagar o pato. Cuca ouviu os torcedores e sacou o meia para a entrada de Neto Berola. Na sequência, os volantes Tinga e Leandro Donizete trocaram cotoveladas, e Paulo César Oliveira expulsou os brigões, que saíram de campo discutindo muito.

Aos 14, Ronaldinho Gaúcho tratou de desfazer o erro do pênalti e ajudou o Galo a empatar a partida. Leonardo Silva escorou escanteio de cabeça, e Marcelo Oliveira, tentando evitar que o camisa 49 tocasse na bola, acabou colocando para dentro do próprio gol. A arbitragem assinalou gol do zagueiro atleticano.

O jogo ficou aberto. Com os times com um a menos, sobravam espaços para os contra-ataques. Era lá e cá. Montillo perdeu uma chance incrível. Em seguida, Jô cabeceou cara a cara, para grande defesa de Fábio. Mas aos 29 minutos, Ronaldinho Gaúcho apareceu de novo. Depois de várias cobranças de escanteio ruins, o craque alvinegro colocou na cabeça do zagueiro Réver, que apenas cumprimentou para as redes e virou o placar, para delírio da torcida atleticana.

Após o gol, Cuca tirou o craque atleticano, que foi ovacionado ao deixar o campo para a entrada de Serginho. O jogador foi para o banco de reservas visivelmente chateado com a substituição. No fim, Anselmo Ramon ainda foi expulso. Vitória do Atlético-MG, que coroou uma grande campanha no Brasileirão e garantiu participação na principal competição continental entrando direto na fase de grupos.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.