sexta-feira, 17 de Abril de 2015 11:38h

Galo perde o jogo para o Atlas, mas não a confiança para o clássico

A derrota do Atlético por 1 a 0 para o Atlas, na noite dessa quarta-feira, complicou a situação da equipe na luta por uma vaga nas oitavas de final da Copa Libertadores, mas não diminuiu a confiança do técnico Levir Culpi

Para ele, o time tem condições de sair da situação difícil em que se colocou no Grupo 1 da competição e avançar. “Eu não acho, tenho certeza que dá para conseguir, mas vai ser daqueles jogos do Atlético, decisivos, e precisaremos estar com alto nível competitivo. Mas temos essa condição de reverter esse péssimo resultado que tivemos aqui. Estou muito otimista porque sei que o time tem capacidade para reverter essa situação”, afirmou.
O Atlético está em terceiro lugar no Grupo 1, com apenas seis pontos, e precisa derrotar o Colo Colo por dois gols de diferença na próxima quarta-feira, em Belo Horizonte, para avançar às oitavas de final. "Foi criada uma situação e estamos levando a decisão para o último jogo, em casa. Será o jogo da recuperação do que fizemos aqui e o jogo da classificação. Alguém reservou ainda uma oportunidade para o Atlético e vamos nos agarrar nela”, acrescentou Levir.
O treinador atleticano reconheceu que o time mereceu ser batido pelo Atlas na noite de quarta. "O Atlas esteve mais perto de marcar. Criamos oportunidades de gol, mas não tivemos competência. Não dá para lamentar, eles fizeram um jogo melhor. Tivemos nossas oportunidades, então não dá para lamentar. Nossa produtividade foi pouca e, por isso, perdemos”, analisou.
Antes de encarar o Colo Colo, o Atlético terá compromisso importante pelo Campeonato Mineiro no próximo domingo, no Mineirão. Após empatar por 1 a 1 no Independência, o time precisa vencer o rival Cruzeiro para se garantir na decisão do torneio estadual. Mesmo perdendo a partida, os jogadores não mostraram reação e aceitaram passivamente o resultado, que complicou a situação do time no torneio continental.
O atacante Guilherme, que entrou no lugar de Lucas Pratto na etapa final, criticou a forma como a equipe se portou em campo comparando a disparidade entre o futebol apresentado no México e o da vitória sobre o Santa Fe, semana passada, no Independência. “Muito abaixo do que é o Atlético. A gente não pode ter um jogo tão bom assim na quinta-feira e cair tanto em uma partida fora. Poderíamos até ter perdido, mas com outra postura”, ressaltou.
Nem mesmo o jogador soube explicar a queda de rendimento da equipe de uma partida para outra. “Não sei responder. O time é o mesmo, a preparação foi adequada. Acho que a gente não incorporou o espírito que o jogo necessitava. Temos que ver agora onde falhamos para poder melhorar”, observou.
Agora, o time revive situação parecida com a de dois anos atrás, na campanha do título da Libertadores de 2013, quando precisava vencer por dois gols de diferença para se manter vivo. Na última rodada, o Atlético será obrigado a ganhar do Colo-Colo por dois gols de diferença, em Belo Horizonte, para se classificar para as oitavas de final.
Guilherme acredita que será complicado, mas aposta na força das arquibancadas e pede o apoio do torcedor para o jogo de vida ou morte. “É uma meta difícil, mas dentro de casa contamos com o apoio do torcedor. Mesmo sabendo que não tivemos uma boa atuação aqui, a gente espera a compreensão deles porque em casa somos fortes e vamos para o tudo ou nada”, destacou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.