quinta-feira, 20 de Outubro de 2011 13:46h Luciano Eurides

Galo precisa ser o Fluminense de 2009

O Atlético tem pela frente o Fluminense neste sábado, adversário que pode ser considerado o espelho nesta reta final do Campeonato Brasileiro. Se neste momento o Galo luta contra o rebaixamento e o Tricolor pelo título, há dois anos a história era completamente inversa ao que se vê agora.
Na competição nacional de 2009, o clube mineiro esteve quase sempre entre os quatro primeiros colocados, brigando pelo título ou, no mínimo, uma vaga na Libertadores. Já o clube carioca foi frequentador assíduo da zona de rebaixamento, lutando desesperadamente para permanecer na Primeira Divisão.


Na reta final daquela temporada, enquanto o Atlético patinou e ficou fora do G4, o Fluminense conseguiu uma reação fantástica e se manteve na elite do futebol brasileiro. Para o torcedor alvinegro, o desejo não é de que o tricolor termine mal neste ano, mas o seu time vá bem nas últimas rodadas e saia da zona de degola.


Para isso, será preciso beliscar alguns pontos fora de casa. Na rodada passada, perdeu para o Vasco por 2 a 0 em São Januário, o que obriga a equipe do técnico Cuca a buscar um resultado melhor diante do Tricolor no Engenhão. A tarefa não será fácil diante de um rival embalado, mas a necessidade está acima da dificuldade.


Com mais oito compromissos a serem disputados, o Galo terá de somar um número próximo de 15 pontos para continuar na Primeira Divisão. Alguns matemáticos acreditam que até com mais 12 pontos o clube poderá de salvar da degola. Portanto, mais quatro ou cinco vitórias precisarão ser faturadas, num aproveitamento de 50%. “Nesses jogos que restam, temos de encarar de maneira diferente que encaramos outros jogos. Então, temos de ser diferentes e fazer tudo diferente do que fizemos no restante do Campeonato Brasileiro. Ninguém está satisfeito com essa situação. Temos de encarar essa sequência de jogos totalmente diferente do que fizemos”, disse Réver.


A maior das coincidências nos dois casos está no comando técnico. Em 2009, no "Milagre Tricolor", Cuca era o treinador e agora ele tenta repetir a dose, porém, à frente do Galo. Se experiência para lidar com a pressão é importante, os atleticanos ficam mais otimistas ao ver o que seu atual comandante já fez em uma outra oportunidade.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.