segunda-feira, 30 de Janeiro de 2012 18:59h Atualizado em 31 de Janeiro de 2012 às 09:44h. Luciano Eurides

Galo se reapresenta hoje ainda comemorando a vitória

O técnico Cuca elogiou a atuação da equipe na vitória por 2 a 0 sobre o Boa, neste domingo, em Sete Lagoas, pela rodada de abertura do Campeonato Mineiro. Segundo ele, a forte marcação imposta pelo adversário foi um dos obstáculos superados pelo Atlético para conquistar os três primeiros pontos na competição.
O treinador fez uma análise da partida. “Em uma análise geral, foi um jogo muito difícil porque o Boa marcou individual. A equipe jogou compacta. Tivemos um ou dois sustos apenas atrás, de forma que deixa a gente confiante. Criamos pelo menos meia dúzia de chances, fizemos dois gols, vencemos por 2 a 0, de maneira que estou muito satisfeito”, analisou o treinador e completou. “Fizemos uma boa estreia, vencemos, sem grandes sustos. A equipe jogou compacta, não saiu de campo super cansado,de maneira que a recuperação é mais rápida e dá para trabalhar bem”, completou Cuca.
A estreia do Atlético no Campeonato Mineiro representou o fim da campanha pelo primeiro gol como profissional de Bernard. A jovem revelação alvinegra anotou o segundo tento da vitória contra o Boa Esporte, e os companheiros comemoraram bastante com o meia-atacante. Bernard não escondeu a alegria de ter marcado. “Fico feliz por ter feito o primeiro gol, por ajudar a equipe. Mas fico mais feliz ainda pela vitória. Espero crescer mais ainda no campeonato, e a equipe junto comigo”, disse o jogador, que durante a pré-temporada atleticana treinou em excesso a pontaria. “Jogador de time grande, como o Atlético, não pode perder tantas chances de gol, como eu perdi ano passado”, comentou.
Apesar de ser jovem, Bernard já possui um fã-clube, que chegou inclusive a levar faixas de apoio ao jogador, para que o primeiro gol saísse. “Trabalhei forte ano passado e não conseguia marcar. Mas agora é 2012, vida nova. Era um gol muito esperado, estava ansioso”, disse Bernard, que comentou a comemoração dos companheiros de equipe. “Eles iam fazer uma brincadeira e infelizmente foi tapa, não foi carinhoso. Estou ajudando e eles estão me batendo. Mas, graças a Deus está todo mundo feliz, eu principalmente, por ter feito meu primeiro gol. Espero continuar assim”, disse o jogador, que já jogou 28 partidas como profissional pelo Atlético.

PROTESTO
Os reflexos da derrota histórica para o Cruzeiro por 6 a 1, na última rodada do Campeonato Brasileiro do ano passado, ainda podem ser sentidos entre a torcida do Atlético. Antes da partida contra o Boa, os atleticanos na Arena do Jacaré deram as costas ao campo por seis minutos, fazendo alusão ao vexame sofrido para o maior rival.
Alguns jogadores não foram poupados nem com a vitória. Alguns deles, como o lateral Richarlyson, o zagueiro Réver e o goleiro Renan Ribeiro sofreram vaias durante todo o jogo. Mesmo ao final da partida alguns manifestos ainda puderam ser escutados pelo estádio.
Os jogadores, porém, absorveram a revolta da torcida como uma manifestação legítima. O volante Pierre, que esteve presente no clássico contra a Raposa, disse que o grupo irá reverter a mágoa da torcida atleticana. “Temos que vencer o máximo possível. O torcedor está magoado, mas vamos inverter isso. Contamos com o torcedor e o mais importante foi iniciar o ano com vitória” declarou. Leandro Donizete, um dos recém-chegados a Belo Horizonte, disse que o elenco está trabalhando seriamente para mudar o posicionamento da torcida alvinegra. “Ninguém está de brincadeira aqui. Trabalhamos seriamente. A goleada acontece, é ruim em um clássico, mas vamos vencer os jogos e os torcedores vão mudar essa postura”.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.